25APR

FLORAM receives Impact Factor

We are pleased to announce that FLORAM has received its first impact factor rating in the 2022 Journal Citation Reports (JCR).

Now FLORAM has the highest impact factor among Brazilian Forest Sciences journals.

Floresta e Ambiente
https://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.131315
Floresta e Ambiente
Original Article Silviculture

Crescimento e Produção de Eucalipto na Região do Médio Paraíba do Sul, RJ

Growth and Production of Eucalypto in Region the Médio Paraíba do Sul, RJ

Ferreira, Dereck Halley Anthony Alves; Leles, Paulo Sérgio dos Santos; Oliveira Neto, Silvio Nolasco de; Paula, Tafarel Rodrigues; Coutinho, Rodolfo Pellegrini; Silva, Rogério Luiz da

Downloads: 0
Views: 1172

Resumo

Objetivou-se avaliar a produção de sete materiais genéticos de Eucalyptus, implantados no Município de Paty do Alferes, Rio de Janeiro. Foram utilizadas quatro espécies de eucalipto, um híbrido Eucalyptus urophylla x E. grandis, oriundo de sementes, e dois clones de Eucalyptus urophylla x E. grandis, denominados amarelo e branco. A região apresenta déficit hídrico no solo de maio a setembro. Após o plantio, foram avaliados a sobrevivência aos dois meses, o diâmetro à altura de 1,30 m do solo e a altura das plantas aos 18 e 80 meses. Nessa última medição, seis árvores médias de cada material genético foram abatidas para determinação do volume e da biomassa do lenho. Eucalyptus grandis, clone amarelo e Eucalyptus urophylla x grandis apresentaram os melhores desempenhos, sendo os mais indicados para a formação de povoamentos na região do Médio Paraíba do Sul, RJ. Eucalyptus pellita foi o que obteve menor crescimento e produção.

Palavras-chave

teste de espécies, seleção de espécies, crescimento de eucalipto.

Abstract

This study aimed to evaluate the production of Eucalyptus genetic materials, implanted in the town of Paty do Alferes, Rio de Janeiro. Were used four eucalyptus species, the hybrid Eucalyptus urophylla x E. grandis, from seedlings and two clones (yellow and white) of Eucalyptus urophylla x E. grandis. The region soil is water depleted from May to September. After planting, we evaluated the survival at 2 months and the diameter to the height of 1.30 meter from the ground, and total plant height at 18 and 80 months. In the latter measurement, six medium trees of each genetic material were abated to determine the volume and biomass of the wood. Eucalyptus grandis, yellow clone and Eucalyptus urophylla x E. grandis showed the best results, with the nominees for the formation of settlements in the region Médio Paraíba do Sul, RJ. Eucalyptus pellita showed lowest growth and yield.

Keywords

species testing, selection of species, eucalypt growth.

References

Amorim HB, Francelino MR, Salamene S, Pedreira LOL, Assumpção LI Fo, Capitano RC et al. Estimativa da área ocupada por reflorestamentos no Estado do Rio de Janeiro. Cerne 2012; 18(1): 27-32. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602012000100004.

Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas – ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF. Brasília: ABRAF; 2013 [citado em 2014 jan 10]. 167 p. Disponível em: http:www.abraflor.org.br/estatisticas.asp.

Baldwin PJ, Stewart HTL. Distribution, lenght and wight of roots in young plantations of Eucalyptus grandis W. Hill ex Maiden irrigated with recycled water. Plant and Soil 1987; 97(2): 243-252. http://dx.doi.org/10.1007/BF02374947.

Barros NF, Cardoso JR, Macedo PRO. Algumas relações solo-eucalipto em suas condições naturais. In: Barros NF, Novais RF, editores. Relação solo eucalipto. Viçosa: Folha de Viçosa; 1990.

Bernardo AL, Reis MGF, Reis GG, Harrison RB, Firme DJ. Effect of spacing on growth and biomass distribution in Eucalyptus camaldulensis, E. pellita and E. urophylla plantations in southeastern Brazil. Forest Ecology and Management 1998; 104(1-3): 1-13. http://dx.doi.org/10.1016/S0378-1127(97)00199-0.

Borges JS. Modulador edáfico para uso em modelo ecofisiológico e produtividade potencial de povoamentos de eucalipto [tese]. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa; 2012.

Coutinho JLB, Santos VF, Ferreira RLC, Nascimento JCB. Avaliação do comportamento de espécies de Eucalyptus spp. na Zona da Mata Pernambucana. I: resultados do primeiro ano - 2001. Revista Árvore 2004; 28(6): 771-775. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000600001.

Del Quiqui EM, Martins SS, Shimizu JY. Avaliação de espécies e procedências de Eucalyptus para o Noroeste do Estado do Paraná. Acta Scientiarum 2001; 23(5): 1173-1177.

Drumond MA, Oliveira VR, Carvalho OM. Comportamento silvicultural de espécies e procedências de Eucalyptus na região dos tabuleiros costeiros do Estado de Sergipe. Revista Árvore 1998; 22(1): 133-142.

Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro – FIRJAN. Contribuições ao Desenvolvimento da Silvicultura Econômica no Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: FIRJAN; 2013 [citado em 2014 set 16]. 14 p. Disponível em: http://www.firjan.org.br.

Ferreira LR, Machado AFL, Ferreira FA, Santos LDT. Manejo Integrado de Plantas Daninhas na cultura do Eucalipto. Viçosa: UFV; 2010.

Gomes JM, Pereira AR, Brandi RM, Maciel LAF. Variação do crescimento de espécies e procedências de eucalipto cultivadas na região de Viçosa, MG. Revista Árvore 1981; 5(2): 233-249.

Gonçalves JLM, Alvares CA, Higa AR, Silva LD, Alfenas AC, Stahl J et al. Integrating genetic and silvicultural strategies to minimize abiotic and biotic constraints in Brazilian eucalypt plantations. Forest Ecology and Management 2013; 23(1): 6-27. http://dx.doi.org/10.1016/j.foreco.2012.12.030.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Contas regionais do Brasil 2012. Rio de Janeiro: IBGE; 2014. n. 42, 55 p.

Instituto Nacional de Meteorologia – INMET. Boletim Agrometeorológico (1974-1993) [Relatório Interno]. Brasília; 1995.

Magalhães WM, Macedo RLG, Venturin N, Higashikawa EM, Yoshitani JRM. Desempenho silvicultural de clones e espécies/procedências de Eucalyptus na região noroeste de Minas Gerais. Cerne 2007; 13(4): 368-375.

Martinez DT, Higa AR, Lingnau C, Silva IC. Escolha de espécies, planejamento e sistemas de produção para reflorestamento em pequenas propriedades no estado do Paraná. Curitiba: FUPEF; 2012.

Morais EJ, Barros NF, Brandi RM. Biomassa e eficiência nutricional de espécies de eucalipto em duas regiões bioclimáticas de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciência do Solo 1990; 14(2): 353-362.

Poyry Silviconsult. Estudo de mercado: consumo de produtos de base florestal [Relatório Técnico]. Curitiba; 2012.

Rio de Janeiro. Governo do Estado. Assembléia Legislativa Lei nº 5067 de 09 de julho de 2007. Dispõe sobre o zoneamento ecológico-econômico do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Governo do Estado do Rio de Janeiro; 2007 [citado em 2014 set 16]. Disponível em: http://www.alerj.rj.gov.br/processo2.htm.

Sentelhas PC, Pereira AR, Marin FR. BHBRASIL: balanços hídricos climatológicos de 500 localidades brasileiras. Piracicaba: ESALQ; 1998 [citado em 2014 ago. 11]. Disponível em: http://www.lce.esalq.usp.br/nurma.html.

Silva LD. Melhoramento genético de Eucalyptus benthamii Maiden et Cambage visando a produção de madeira serrada em áreas de ocorrência de geadas severa [tese]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2008. 87 f.

Soares CPB, Paula Neto F, Souza AL. Dendrometria e inventário florestal. Viçosa: UFV; 2006. 276 p.

Stape JL, Binkley D, Ryan MG, Fonseca RA, Loos RA, Takahashi EN et al. The Brazil eucalyptus potential productivity project: influence of water, nutrients and stand uniformity on wood production. Forest Ecology and Management 2010; 259(9): 1684-1694. http://dx.doi.org/10.1016/j.foreco.2010.01.012.

Sturion JA, Bellote AFJ. Implantação de povoamentos florestais com espécies de rápido crescimento. In: Galvão APM. Reflorestamento de propriedades rurais para fins produtivos e ambientais. Colombo: Embrapa Florestas; 2000. p. 209-219.

Thornthwaite CW, Mather JC. The water balance. Centeron: Drexel Institute of Technology; 1955. 104 p.
 

5a708b200e88256c3b5dfcc8 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections