Floresta e Ambiente
https://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.081217
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Forest Restoration Evaluation Through Indicators in Areas of Bauxite Mining

Sabrina Santos Ribeiro; Francisco de Assis Oliveira; Gracialda Costa Ferreira; Daniel Estumano Santos; Denis Conrado Cruz

Downloads: 1
Views: 150

Abstract

ABSTRACT: The state of Pará ranks second in Brazilian mineral production, where bauxite accounts for 84% of total mineral extraction, with negative impacts on the environment as a result. The determination of objectives and targets using environmental indicators as a tool to evaluate forest restoration processes is essential in the recovery of these exploited areas. This study aimed at evaluating the efficiency of forest restoration techniques by means of 13 qualitative and quantitative indicators for monitoring post-bauxite mining operations. Permanent plots were implanted in revegetated areas with the use of two techniques: planting of seedlings and stewarding of natural regeneration. It is concluded that the techniques are efficient for the recovery of forested area. However, natural regeneration showed greater efficiency for restoration for Density, Erosion and Exotic Species indicators. Still, natural regeneration should not be the sole option in the processes of ecosystem restoration, since planting proved to be more efficient for some indicators.

Keywords

mining, forest succession, topsoil

References

Andrade FS. Variabilidade da precipitação pluviométrica de um município do estado do Pará. Revista Engenharia Ambiental: Pesquisa e Tecnologia 2011; 8(4): 138-145.

Andrade GF, Sanchez GF, Almeida JR. Monitoramento e avaliação em projetos de recuperação de áreas degradadas. Revista Internacional de Ciências 2014; 4(2): 13-26.

Brancalion PHS, Gandolfi S, Rodrigues RR. Restauração florestal. São Paulo: Oficina de Textos; 2015.

Brancalion PHS, Viani RAG, Rodrigues RR, Gandolfi S. Avaliação e monitoramento de áreas em processo de restauração. Viçosa: UFV; 2012.

Brandt. Relatório de impacto ambiental da empresa Mineração Bauxita Paragominas. Ananindeua; 2003.

Brasil. Decreto-Lei nº 1985, de 29 de março de 1940. Código de Minas de 1940. Diário Oficial da República Federativa do Brasil [online], Brasília, DF (1940 mar.) [cited 2017 Jan 20]. Available from: http://www.jusbrasil.com.br/legislacao/111067/codigo-de-minas-de-1940-decreto-lei-1985-40

Brasil. Ministério de Meio Ambiente – MMA. Portaria MMA nº 443, de 17 de dezembro de 2014. Homologa alista Nacional Oficial de Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção no Estado do Pará. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF (2014 dez.).

Carnevale N, Montagnini F. Facilitating regeneration of secondary forests with the use of mixed and pure plantations of indigenous tree species. Forest Ecology and Management 2002; 163(1-3): 217-227. http://dx.doi.org/10.1016/S0378-1127(01)00581-3.

Chazdon R. Regeneração de florestas tropicais Tropical forest regeneration. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais 2012; 7: 195-218.

Conselho Estadual de Meio Ambiente – COEMA. Resolução COEMA nº 54, de 24 de outubro de 2007. Homologa a lista de espécies da flora e da fauna ameaçadas no Estado do Pará. Diário Oficial [online], Belém, PA (2007 out.) [cited 2017 Jan 20]. Available from: https://www.sema.pa.gov.br/2007/10/24/10059/

Dickow KM, Marques R, Pinto CB, Höfer H. Produção de serapilheira em diferentes fases sucessionais de uma floresta subtropical secundária, em Antonina, PR. Cerne 2012; 18(1): 75-86. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602012000100010.

Durigan, G. O uso de indicadores para monitoramento de áreas em recuperação. Cadernos da Mata Ciliar 2011; 4: 11-13.

Ellenberg D, Mueller-Dombois D. Aims and methods of vegetation ecology. New York: Wiley; 1974.

Fearnside PM. Desmatamento na Amazônia: dinâmica, impactos e controle. Acta Amazonica 2006; 36(3): 395-400. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672006000300018.

Forzza RC, Baumgratz JFA, Bicudo CEM, Carvalho AA Jr, Costa A, Costa DP et al. Catálogo de plantas e fungos do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro; 2010. (vol. I-II).

Francez LMB, Carvalho JOP, Jardim FCS. Mudanças ocorridas na composição florística em decorrência da exploração em uma área de floresta de terra firme na região de Paragominas, PA. Acta Amazonica 2007; 37(2): 219-228. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672007000200007.

Instituto Brasileiro de Mineração – IBRAM. Mineração e meio ambiente. Brasília; 1992. 126 p.

Instituto Brasileiro de Mineração – IBRAM. Informações sobre a economia mineral brasileira [online]. Brasília; 2015 [cited 2016 Feb 18]. Available from: http://www.ibram.org.br/sites/1300/1382/00005836.pdf

International Union for Conservation of Nature – IUCN. Red List of threatened species: IUCN Species Survival Commission [online]. Cambridge: IUCN; 2004 [cited 2015 Aug 13]. Available from: www.redlist.org

Jardim Botânico do Rio de Janeiro – JBRJ. Reflora: lista de espécies da flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro; 2015 [cited 2015 Apr 21]. Available from: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/

Knight DH. A phytosociological analysis of species-rich tropical forest on Barro Colorado Island, Panama. Ecological Monographs 1975; 45(3): 259-284. http://dx.doi.org/10.2307/1942424.

Letcher SG, Chazdon RL. Rapid recovery of biomass, species richness, and species composition in a forest chronosequence in Northeastern Costa Rica. Biotropica 2009; 41(5): 608-617. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.2009.00517.x.

Luizão F. Ciclos de nutrientes na Amazônia: respostas às mudanças ambientais e climáticas. Ciência e Cultura 2007; 59(3): 31-36.

Luizão F, Pashanasi-Amasifuen B, Del Castillo-Torres D, Lavelle P. Influência da massa e nutrientes da liteira sobre a composição dos macro-invertebrados em plantíos florestais na Amazônia peruana. Folia Amazónica 2014; 23(2): 171-186. http://dx.doi.org/10.24841/fa.v23i2.22.

Machado ELM, Gonzaga APD, Macedo RLG, Venturin N, Gomes JE. Importância da avifauna em programas de recuperação de áreas degradadas. Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal 2006; 4(7): 3-9.

Magurran AE. Diversidad ecologica y su medición. Espanha: Ediciones Vedra; 1989. 199 p.

Massoca P, Jakovac A, Bentos T, Williarnson G, Mesquita R. Dinâmica e trajetórias da sucessão secundária na Amazônia Central. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais 2012; 7(3): 235-250.

Melo ACG, Miranda DLC, Durigan G. Cobertura de copas como indicador de desenvolvimento estrutural de reflorestamentos de restauração de matas ciliares no médio vale do Paranapanema, SP, Brasil. Revista Árvore 2007; 31(2): 321-328. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622007000200015.

Oliveira LC. Dinâmica de crescimento e regeneração natural de uma floresta secundária no Estado do Pará. In: Ecology and Management of Tropical Secondary Forest: Science, People, and Policy: Proceedings of a Conference Held at CATIE; 1997; Costa Rica. Costa Rica: Bib. Orton IICA/CATIE; 1998. p. 69. (vol. 4).

Rodrigues RR, Gandolfi S. Conceitos, tendências e ações para a recuperação de florestas ciliares. In: Rodrigues RR, Leitão HF Jr, editors. Matas ciliares: conservação e recuperação. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2000. (vol. 1).

Rodrigues RR, Lima RAF, Gandolfi S, Nave AG. On the restoration of high diversity forests: 30 years of experience in the Brazilian Atlantic Forest. Biological Conservation 2009; 142(6): 1242-1251. http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2008.12.008.

Salomão RP, Brienza S Jr, Rosa NA. Dinâmica de reflorestamento em áreas de restauração após mineração em unidade de conservação na Amazônia. Revista Árvore 2014; 38(1): 1-24. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622014000100001.

Salomão RP, Matos AH, Rosa NA. Dinâmica de reflorestamentos visando a restauração da paisagem florestal em áreas de mineração na Amazônia. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Botânica 2002; 18(1): 157-194.

Salomão RP, Rosa NA, Castilho A, Morais JAC. Castanheira-do-brasil recuperando áreas degradadas e provendo alimento e renda para comunidades da Amazônia Setentrional. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais 2006; 1(2): 65-78.

Salomão RP, Santana AC, Brienza S Jr. Seleção de espécies da floresta ombrófila densa e indicação da densidade de plantio na restauração florestal de áreas degradadas na Amazônia. Ciência Florestal 2013; 23(1): 139-151. http://dx.doi.org/10.5902/198050988448.

Salomão RP, Vieira ICG, Brienza S Jr, Amaral DD, Santana AC. Sistema Capoeira Classe: uma proposta de sistema de classificação de estágios sucessionais de florestas secundárias para o estado do Pará. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais 2012; 7: 297-317.

Sánchez LE. Planejamento e gestão do processo de recuperação de áreas degradadas. In: Filippini-Alba JM, editor. Recuperação de áreas degradadas: a visão dos especialistas brasileiros. 2. ed. Pelotas: Embrapa Clima Temperado; 2010.

Shannon CE, Weaver W. The mathematical theory of communication. Urbana: University of Illinois Press; 1949.

Sprent JI. Nodulation in legumes. Kew: Royal Botanical Gardens; 2001. 146 p.

The Nature Conservancy – TNC. Manual de restauração florestal: um instrumento de apoio à adequação ambiental de propriedades rurais do Pará. Belém: The Nature Conservancy; 2013. 128 p.
 

5cd967cc0e88253e2686c886 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections