Floresta e Ambiente
https://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.074717
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Compositional Similarity of Urban Green Areas in Southeastern Brazil

Ronaldo Oliveira dos Santos; Rubiene Neto Soares; Breno Marques da Silva e Silva

Downloads: 0
Views: 105

Abstract

ABSTRACT: Urban afforestation greatly contributes to the ex situ conservation of native species in urban centers of Brazil. In this way, the aim of the present work was to analyze the similarity of the arboreal-shrub flora among urban afforestation in southeastern Brazil. For this analysis, a binary matrix with data of 283 species present in 20 municipalities in the Southeastern Region of Brazil was adopted, in which the Principal Component Analysis (PCA) was also used aiming at enabling refinement in the grouping obtained by the floristic similarity (FS) of Sørensen with similarity from values provided by PCA. FS among municipalities was intermediate, but the highest similarity of urban flora was found among the geographically closest municipalities. In the southeastern region, 283 species were recorded, being distributed in 71 botanical families, with Fabaceae having the largest number of species, and with emphasis on the predominance of exotic plants over native plants.

Keywords

aggregation analysis, urban afforestation, multivariate techniques

References

Angiosperm Phylogeny Group – APG III. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 2009; 161(2): 105-121. http://dx.doi.org/10.1111/j.1095-8339.2009.00996.x.

Benatti DP, Tonello KC, Adriano-Júnior FC, Silva JMS, Oliveira IR, Rolim EN et al. Inventário arbóreo-urbano do município de Salto de Pirapora, SP. Revista Árvore 2012; 36(5): 887-894. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622012000500011.

Brandão IM, Gomes LB, Silva NCAR, Ferraro AC, Silva AG, Gonçalves FG. Análise quali-quantitativa da arborização urbana do município de São João Evangelista-MG. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 2011; 6(4): 158-174.

Castro ASF, Moro MF, Rocha FCL. Plantas dos espaços livres da Reitoria da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Ceará, Brasil. Revista Brasileira de Biociências 2011; 9(1): 126-129.

Cupertino MA, Eisenlohr PV. Análise florística comparativa da arborização urbana nos campi universitários do Brasil. Bioscience Journal 2013; 29(3): 739-750.

Faria JLG, Monteiro EA, Fisch STV. Arborização de vias públicas do município de Jacareí-SP. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 2007; 2(4): 20-33.

Felfili JM, Carvalho FA, Libano AM, Venturoli F, Pereira BASP, Machado ELM. Análise multivariada: princípios e métodos em estudos de vegetação. In: Felfili JM, Eisenlohr PV, Melo MMRF, Andrade LA, Meira-Neto JAA, editores. Fitossociologia no Brasil: métodos e estudos de casos. Viçosa: Editora UFV; 2011. p. 122-155.

Ferreira DF. Estatística multivariada. Lavras: UFLA; 2011. 675 p.

Ferreira RLC, Mota AC, Silva JAA, Marangon LC, Santos ES. Comparação de duas metodologias multivariadas no estudo de similaridade entre fragmentos de Floresta Atlântica. Revista Árvore 2008; 32(3): 511-521. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000300012.

Fischer LK, Rodorff V, Lippe MV, Kowarik I. Drivers of biodiversity patterns in parks of growing South American megacity. Urban Ecosystems 2016; 9(1): 1-20.

Forzza RC, Stehmann JR, Nadruz M, Filardi FLR, Costa A, Carvalho-Júnior AA et al. Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro; 2010.

Freitas WK, Pinheiro MAS, Abrahão LLF. Análise da arborização de quatro praças no bairro da Tijuca, RJ, Brasil. Floresta e Ambiente 2015; 22(1): 23-31. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.025612.

Gonçalves W, Paiva HN. Árvores para ambiente urbanos. Viçosa: Aprenda Fácil; 2004. 242 p. (Coleção Jardinagem e Paisagimo, vol. 2).

Lorenzi H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 5. ed. Nova Odessa: Platarum; 2008. 384 p.

Mazioli BC. Inventário e diagnóstico da arborização urbana de dois bairros da cidade de Cachoeiro do Itapemirim, ES. Jerônimo Monteiro: Universidade Federal do Espírito Santo; 2012.

Missouri Botanical Garden – MOBOT. W3 Specimen Data Base [online]. St. Louis: Mobot; 2017 [cited 2017 Apr 22]. Available from: http://www.mobot.org/plantscience/W3T/Search/vas.html

Monteiro KL, Oliveira C, Silva BMS, Môro FV, Carvalho DA. Caracterização morfológica de frutos, de sementes e do desenvolvimento pós-seminal de Licania tomentosa (Benth.) Fritsch. Ciência Rural 2012; 42(1): 90-97. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782011005000147.

Nunes RL, Marmontel CVF, Rodrigues JP, Melo AGC. Levantamento qualiquantitativo da arborização urbana do bairro Ferraropólis na cidade de Garça-SP. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 2013; 8(1): 65-74.

Oksanen J, Blanchet FG, Kindt R, Legendre P, Minchin PR, O’Hara RB, et al. Vegan: community ecology package: R package version 2.0-9. Vienna: R Development Core Team; 2013.

Oliveira AFD, Pereira JAA, Coelho SJ, Pereira GDA. Diagnóstico parcial da arborização viária sob rede elétrica na região oeste de Minas Gerais. Pesquisa Florestal Brasileira 2016; 36(85): 31-40. http://dx.doi.org/10.4336/2016.pfb.36.85.749.

Orfrini AC, Angelis BLD, Angelis-Neto G, Barros RA. Levantamento florístico do Campus-sede da Universidade Estadual de Maringá, Paraná. In: Anais do X Congresso Brasileiro de Arborização Urbana [CD-ROM]; 2006; Maringá. Maringá: Sociedade Brasileira de Arborização Urbana; 2006 [cited 2017 Apr 22]. Available from: http://www.mobot.org/plantscience/W3T/ Search/vas.html

R Development Core Team. R: a language and environment for statistical computing [software]. Vienna: R Foundation for Statistical Computing; 2014 [cited 2014 Jan 15]. Available from: http://www.R-project.org

Reflora. Lista de Espécies da Flora do Brasil [online]. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro; 2017 [cited 2017 June 9]. Available from: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/

Rocha RT, Leles PSS, Oliveira-Neto SN. Arborização de vias públicas em Nova Iguaçu, RJ: o caso dos bairros rancho novo e centro. Revista Árvore 2004; 28(4): 599-607. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000400014.

Romani GN, Gimenes R, Silva MT, Pivetta KFL, Batista GS. Análise quali-quantitativa da arborização na praça XV de novembro em Ribeirão Preto - SP, Brasil. Revista Árvore 2012; 36(3): 479-487. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622012000300010.

Rossatto DR, Tsuboy MSF, Frei F. Arborização urbana na cidade de Assis-SP: uma abordagem quantitativa. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 2008; 3(3): 1-16.

Rossetti AIN, Tavares AR, Pellegrino PRM. Inventário arbóreo em dois bairros Paulistanos, Jardim da Saúde e Vila Vera, localizados na subprefeitura de Ipiranga. Revista Árvore 2010; 34(5): 889-898. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500014.

Scaramussa LM. Levantamento quali-quantitativo da arborização urbana e percepção dos moradores da cidade de Vargem Alta – ES. Jerônimo Monteiro: Universidade Federal do Espírito Santo; 2013.

Silva AG, Cardoso AL, Raphael M. Diagnóstico quali-quantitativo da arborização viária da cidade de Jerônimo Monteiro, ES. Enciclopédia Biosfera 2012; 8(14): 1179-1188.

Silva EM, Silva AM, Melo PH, Borges SSA. Estudo da arborização urbana do bairro Mansour, na cidade de Uberlândia-MG. Caminhos de Geografia 2002; 3(5): 73-83.

Silva JG, Perelló LFC. Conservação de espécies ameaçadas do Rio Grande do Sul através de seu uso no paisagismo. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 2010; 5(4): 1-21.

Souza AL, Ferreira RA, Mello AA, Plácido DR, Santos CZA, Graça DAS et al. Diagnóstico quantitativo e qualitativo da arborização das praças de Aracaju, SE. Revista Árvore 2011; 35(6): 1253-1263. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622011000700012.

Souza RC, Cintra DP. Arborização viária e conflitos com equipamentos urbanos no bairro da Taquara, RJ. Floresta e Ambiente 2007; 14(1): 25-33.

Souza SCPM, Silva AG, Franco GADC, Ivanauskas NM. A vegetação secundária em um fragmento florestal urbano: influência de exóticas invasoras na comunidade vegetal. Revista do Instituto Florestal 2016; 28(1): 7-35.

Zar JH. Biostatistical analysis. 5th ed. New Jersey: Prentice Hall Inc., Upper Saddle River; 2009. 943 p.
 

5ce3f1c70e882538725bc099 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections