Floresta e Ambiente
https://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.017515
Floresta e Ambiente
Original Article Forest Management

Infrações Ambientais Constatadas Pela Polícia Ambiental no Litoral Centro-Norte de Santa Catarina

Environmental Violations Identified by Environmental Police in Center-North Coast of Santa Catarina

Sothe, Camile; Goetten, Luís Cláudio

Downloads: 0
Views: 257

Resumo

Este estudo realizou o levantamento de 465 autos de infração ambiental (AIA) lavrados na área de abrangência da Polícia Militar Ambiental (PMA) de Tijucas, no período de 2010 até 2014. Para a análise, utilizou-se a estatística descritiva aliada com informações obtidas na literatura. Os resultados mostraram que as principais tipificações da área de estudo estão relacionadas à flora, sendo verificado aproximadamente 131 ha de áreas afetadas nesse período. O município com maior incidência de infrações ambientais foi Nova Trento, seguido de Camboriú. Foi verificado que as principais motivações dos autuados ao suprimir a vegetação nativa foram para terraplanagem e construção civil nos municípios mais sujeitos a expansão urbana e para realizar plantio de espécies exóticas (eucalipto) nas áreas rurais. Os resultados mostraram a necessidade de se direcionar os esforços da PMA no combate às infrações ambientais, principalmente em ações de cunho preventivo, como educação ambiental e manejo florestal sustentável.
Palavras-chave: Mata Atlântica, desmatamento, educação ambiental.
 

Palavras-chave

Mata Atlântica, desmatamento, educação ambiental.

Abstract

This study conducted a survey of 465 notices of environmental violations (NEV) issued in the area covered by the Environmental Military Police (EMP) of Tijucas in the period of 2010 to 2014. For the analysis, we used descriptive statistics combined with information obtained in the literature. The results showed that the main typifications of the study regard the flora, with approximately 131 ha of affected areas scanned during this period. The municipality with the highest incidence of environmental violations was Nova Trento, followed by Camboriú. It has been verified that the main motivation of violators to suppress native vegetation was earthwork and construction in the municipalities more subject to urban expansion, and to execute planting of exotic species (eucalyptus) at the rural areas. The results showed the necessity to target EMP's efforts in combating environmental violations, especially in preventive actions, such as environmental education and sustainable forest management.

Keywords

Atlantic Forest, deforestation, environmental education.

References

Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas – ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF 2013 ano base 2012. Brasília, DF; 2013. 146 p.

Bastos EK, Silva RA. Perícias de danos ambientais na vegetação natural. In: Tocchetto D, organizador. Perícia ambiental criminal. 3. ed. Campinas: Millenium; 2014.

Bastos JM. Considerações sobre a urbanização do litoral catarinense. In: Anais do 10º Simpósio de Geografia Urbana; 2007, Florianópolis. Florianópolis: SIMPURB; 2007. p. 1-8.

Borges LAC, Resende JLP, Pereira JAA. Evolução da legislação ambiental no Brasil. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente 2009; 2(3): 447-466.

Brasil. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, (1998 fev.).

Brasil. Lei nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, (2006 dez.). Seção 1, 1 p.

Brasil. Decreto Federal nº 6.514, de 22 de julho de 2008. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, (2008 jul.).

Costa EP. Poder de polícia ambiental e a administração pública. Revista Brasileira de Direito Constitucional 2010; 16: 13-24.

Farias A, Heckert BT, Kerber FF, Vieira JP, Oliveira RS. Crimes de poluição. In: Tochetto D, organizador. Perícia Ambiental Criminal. 3. ed. Campinas: Millenium; 2014.

Franco MLPB. Análise do conteúdo. 2. ed. Brasília: Liber Livros; 2005.

Fundação SOS Mata Atlântica, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: período 2013-2014: relatório técnico. São Paulo: SOS Mata Atlântica; São José dos Campos: INPE; 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Informações sobre as cidades do Brasil. Rio de Janeiro; 2014 [citado em 2015 abr 12]. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/

Justen JGK, Muller JJV, Toresan L. Levantamento socioambiental. In: Vibrans AC, Sevegnani L, Gasper AL, Lingner DV, editores. Inventário florístico florestal de Santa Catarina. Blumenau: Edifurb; 2012.

Klein RM. Mapa fitogeográfico do estado de Santa Catarina. In: Reitz R, editor. Flora ilustrada catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues; 1978.

Milaré E. Direito do ambiente. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais; 2003.

Santa Catarina. Governo do Estado. Lei Estadual nº 14.675 de 13 de abril de 2009. Diário Oficial do Estado, Florianópolis, SC (2009 abr.).

Silva JC. Eucalipto: desfazendo mitos e preconceitos. Revista da Madeira 2003; 69: 44-48.

Siminski A, Fantini AC. Classificação da Mata Atlântica do litoral catarinense em estádios sucessionais: ajustando a lei ao ecossistema. Floresta e Ambiente 2004; 11(2): 20-25.

Siminski A, Fantini AC. Roça-de-toco: uso de recursos florestais e dinâmica da paisagem rural no litoral de Santa Catarina. Ciência Rural 2007; 37(3): 690-696. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782007000300014.

Siminski A, Fantini AC. A Mata Atlântica cede lugar a outros usos da terra em Santa Catarina. Biotemas 2010; 2(23): 51-59.

Sokal RR, Rohlf FJ. Biometry: the principles and practice of statistics in biological research. 3rd ed. New York: W. H. Freeman and Co.; 1995.

Trauczynski RA. Perícias criminais em delitos contra a flora no Estado de Santa Catarina: diagnóstico, metodologia e perspectivas [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2013.

Venâncio VR. A ordem pública ambiental na sociedade de risco: a atuação da polícia ostensiva em Santa Catarina [dissertação]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina; 2013.

5a7055760e88252414f8b080 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections