Floresta e Ambiente
https://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.016517
Floresta e Ambiente
Original Article Silviculture

Litterfall and Litter Decomposition in Pinus and Native Forests

Flávia Ferreira de Carvalho; Patrícia Anjos Bittencourt Barreto-Garcia; Mariana Aquino Aragão; Aline Pereira das Virgens

Downloads: 0
Views: 85

Abstract

ABSTRACT: Litter production and decomposition makes it possible to supply a good part of the nutrient demand of forest stands. Although several studies on this subject have been carried out in Pinus stands in different regions of Brazil, there are no records of studies carried out in the Northeast region, or in particular in the state of Bahia. Therefore, the objective of this work was to evaluate the litter production (litterfall) and decomposition in Pinus stands in the southwest region of Bahia, using an area of native forest as reference. Litterfall was evaluated during twelve months with the use of suspended collectors. Litter accumulation was quantified by means of three collections. The values obtained from litterfall were similar among Pinus stands. However, these values were lower than those found in the reference forest and in stands of the same genus in other regions of Brazil. Litter decomposition is relatively slow in Pinus sp. stands. The temporal variation of the litter supply is not very sensitive to the climate variations.

Keywords

Reforestation, deposition, production, senescent material

References

Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas – ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF 2013 ano base 2012. Brasília: ABRAF; 2013. 130 p. [cited 2015 Set 20]. Available from: http://www.bibliotecaflorestal.ufv.br/handle/123456789/3910.

Anderson JM, Proctor J, Vallack HW. Ecological studies in four constrasting lowland rain forest in Gunung Mulu National Park, Sarawak. III. Decomposition processes and nutrient losses from leaf litter. Journal of Ecology 1983; 71(2): 503-527. http://dx.doi.org/10.2307/2259731.

Andrade AG, Costa GS, Faria SM. Deposição e decomposição da serapilheira em povoamentos de Mimosa caesalpiniifolia, Acacia manguim e Acacia holosericea com quatro anos de idade em planossolo. Revista Brasileira de Ciência do Solo 2000; 24(4): 777-785. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832000000400010.

Antoneli V, Schenemann R. Influência de alguns elementos climáticos na deposição de serapilheira no cultivo de erva mate (Ilex paraguariensis) na região sudeste do Paraná. Revista Brasileira de Geografia Física 2014; 7(3): 486-496.

Arato HD, Martins SV, Ferrari SHS. Produção e decomposição de serapilheira em um sistema agroflorestal implantado para recuperação de área degradada em Viçosa - MG. Revista Árvore 2003; 27(5): 715-721. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000500014.

Barbosa VA, Barreto-Garcia PAB, Gama-Rodrigues EF, Paula A. Biomassa, carbono e nitrogênio na serapilheira acumulada de florestas plantadas e nativa. Floram 2017; 24(1): 1-9.

Brasil. Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA. Resolução nº 1, de 31 de janeiro de 1994. Define vegetação primária e secundária nos estágios pioneiro, inicial, médio e avançado de regeneração da Mata Atlântica . Diário Oficial da União, Brasília, DF (1994 jan. 31); Sec. 1: 1684-1685.

Carvalho AMX, Vale HMM, Ferreira EM, Cordero AFP, Barros NF, Costa MD. Atividade microbiana de solo e serapilheira em áreas povoadas com Pinus elliottii e Terminalia ivorensis. Revista Brasileira de Ciência do Solo 2008; 32(spe): 2709-2716. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832008000700014.

Chaves RQ, Corrêa GF. Macronutrientes no sistema solo-Pinus caribaea Morelet em plantios apresentando amarelecimento das acículas e morte de plantas. Revista Árvore 2005; 29(5): 691-700. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622005000500004.

Collins NM. Vegetation and litter production in Southern Guinea Savanna, Nigeria. Oecologia 1977; 28(2): 163-175. http://dx.doi.org/10.1007/BF00345252. PMid:28309015.

Cunha FV No, Leles PSS, Pereira MG, Bellumath VGH, Alonso JM. Acúmulo e decomposição da serapilheira em quatro formações florestais. Ciência Florestal 2013; 23(3):379-387.

Diniz AR, Pereira MG, Loss A. Aporte de material decíduo e nutrientes para o solo em plantio de eucalipto e floresta secundária. Pesquisa Florestal Brasileira 2011; 31(65): 19-26. http://dx.doi.org/10.4336/2011.pfb.31.65.19.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. Embrapa Florestas Sistemas de Produção. [cited 2014 mai. 10]. Available from: https://www.spo.cnptia.embrapa.br/conteudo?p_p_id=conteudoportlet_WAR_sistemasdeproducaolf6_1ga1ceportlet&p_p_lifecycle=0&p_p_state=normal&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-2&p_p_col_count=1&p_r_p_-76293187_sistemaProducaoId=3715&p_r_p_-996514994_topicoId=3228

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Manual de métodos de análise de solo. 2nd ed. Rio de Janeiro: SNLCS; 1997.

Gama-Rodrigues AC, Barros NF. Ciclagem de nutrientes em floresta natural e em plantios de eucalipto e de dandá no sudeste da Bahia, Brasil. Revista Árvore 2002; 26(2): 193-207.

Giácomo RG, Pereira MG, Machado DL. Aporte e decomposição de serapilheira em áreas de Cerradão e Mata Mesofítica na Estação Ecológica de Pirapitinga – MG. Ciência Florestal 2012; 22(4): 669-680. http://dx.doi.org/10.5902/198050987549.

Godinho TO, Aldeira MVW, Caliman JP, Prezotti LC, Watzlawick LF, Azevedo HCA et al. Biomassa, macronutrientes e carbono orgânico na serapilheira depositada em trecho de floresta Estacional Semidecidual Submontana, ES. Scientia Forestalis 2013; 41(97): 131-144.

Hinkel R, Panitz CMN. Estudo comparativo da produção de serapilheira de uma área de Mata Atlântica e de um povoamento de Pinus elliottii Engelm. Var. elliottii na Ilha de Santa Catarina, Brasil. Biotemas 1999; 12(1): 67-93.

Indústria Brasileira de produtores de Árvores – IBÁ. Relatório IBÁ 2015 ano base 2014. Brasília; 2015. 64 p. Disponível em: <http://www.iba.org/images/shared/iba_2015.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: IBGE; 2012. 271 p.

König FG, Schumacher MV, Brun EJ, Seling I. Avaliação da sazonalidade da produção de serapilheira numa floresta estacional decidual no município de Santa Maria - RS. Revista Árvore 2002; 26(4): 429-435. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622002000400005.

Lima NL, Silva-Neto CM, Calil FN, Souza KR, Moraes DC. Acúmulo de serapilheira em quatro tipos de vegetação no estado de Goiás. Enciclopédia Biosfera 2015; 11(22): 39-46. http://dx.doi.org/10.18677/Enciclopedia_Biosfera_2015_068.

Lopes JFB, Andrade EM, Lobato FAO, Palácio HAQ, Arraes FDD. Deposição e decomposição de serapilheira em área da Caatinga. Revista Agro Ambiente 2009; 3(2): 72-79. http://dx.doi.org/10.18227/1982-8470ragro.v3i2.252.

Mateus FA, Miranda CC, Valcarcel R, Figueiredo PHA. Estoque e capacidade de retenção hídrica da serrapilheira acumulada na restauração florestal de áreas perturbadas na Mata Atlântica. Floresta e Ambiente 2013; 20(3): 336-343.

Medeiros GIB, Florindo TJ, Schultz G, Talamini E. Análise da competitividade da cadeia produtiva de oleresina de Pinus Brasileira. Revista Espacios 2017; 38(27): 29.

Melo JT, Resck DVS. Retorno, ao solo, de nutrientes de serapilheira de Pinus no cerrado do Distrito Federal. Planaltina: Embrapa Cerrados; 2002. 18 p.

Moreira FM, Siqueira JO. Microbiologia e bioquímica do solo. Lavras: Editora UFLA; 2002. 626 p.

Morellato LPC. Nutrient cycling in two south-east Brazilian forests. I Litterfall and litter standing crop. Journal of Tropical Ecology 1992; 8(2): 205-215. http://dx.doi.org/10.1017/S0266467400006362.

Novais RFF, Poggiani F. Deposição de folhas e nutrientes em plantações florestais puras e consorciadas de Pinus e Liquidambar. IPEF 1983; 23: 57-60.

Olson JS. Energy storage and the balance of producers in ecological systems. Ecology 1963; 44(2): 322-331. http://dx.doi.org/10.2307/1932179.

Pezzatto A, Wisniewski C. Produção de serapilheira em diferente seres sucessionais da floresta estacional semidecidual no oeste do Paraná. Revista Floresta 2006; 36(1): 111-120.

Pimenta JA, Rossi LB, Torezan JMD, Cavalheiro AL, Bianchini E. Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de um reflorestamento e de uma floresta estacional semidecidual no sul do Brasil. Acta Botanica Brasílica 2011; 25(1): 53-57. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062011000100008.

Pinto SIC, Martins SV, Barros NF, Dias HCT. Produção de serapilheira em dois estádios sucessionais de Floresta Estacional Semidecidual na Reserva Mata do Paraíso, em Viçosa, MG. Revista Árvore 2008; 32(3): 545-556. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000300015.

Pinto HCA, Barreto-Garcia PAB, Gama-Rodrigues EF, Oliveira FGRB, Paula A, Amaral AR. Decomposição da serapilheira foliar de floresta nativa e plantios de Pterogyne nitens e Eucalyptus urophylla no Sudoeste da Bahia. Ciência Florestal 2016; 26(4): 1141-1153. http://dx.doi.org/10.5902/1980509825105.

Piovesan G, Schumacher MV, Vieira M, Lopes VG, Weter C. Deposição de serapilheira em povoamento de pinus. Pesquisa Agropecuária 2012; 42(2): 206-211. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-40632012000200012.

Poggiani F, Zamberlan R, Gava EM, Gava IC. Quantificação da deposição de folhedo em talhões experimentais de Pinus taeda, Eucalyptus viminalis e Mimosa scabrella plantados em uma área degradada pela mineração do xisto betuminoso. IPEF 1987; 37: 21-29.

Ribeiro C, Cortez N, Martins A, Azevedo A, Madeira M. Decomposição de agulhas de Pinus pinaster e de folhas de Eucalyptus globulus em regiões do interior e do litoral de Portugal. Revista de Ciências Agrárias 2007; 30(2): 144-158.

Santos HG, Jacomine PKT, Anjos LHC, Oliveira VA, Oliveira JB, Coelho MR et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos; 2006. 306 p.

Santos Neto AP, Barreto PAB, Gama-Rodrigues EF, Novaes AB, Paula A. Produção de serapilheira em Floresta Estacional Semidecidual e em plantios de Pterogyne nitens Tul. e Eucalyptus urophylla S. T. Blake no Sudoeste da Bahia. Ciência Florestal 2015; 25(3): 631-641. http://dx.doi.org/10.5902/1980509819614.

Schlittler FHM, Marinis G, César O. Decomposição da serapilheira produzida na floresta do Morro do Diabo (região do Pontal do Paranapanema, Estado de São Paulo). Naturalia 1993; 18: 149-156.

Schumacher MV, Brun EJ, Rodrigues LM, Santos EM. Retorno de nutrientes via deposição de serapilheira em um povoamento de acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.) no estado do Rio Grande do Sul. Revista Árvore 2003; 27(6): 791-798. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000600005.

Schumacher MV, Viera M, Witschoreck R. Produção de serapilheira e transferência de nutrientes em área de segunda rotação com floresta de Pinus taeda L. no município de Cambará do Sul, RS. Ciência Florestal 2008; 18(4): 471-480. http://dx.doi.org/10.5902/19805098431.

Shanks R, Olson JS. First year breakdown of leaf litter in Southern Appalachia. Forest Science 1961; 134(3473): 194-195. PMid:17818719.

Silva HF, Barreto PAB, Sousa GTO, Azevedo GB, Gama-Rodrigues EF, Oliveira FGRB. Decomposição de serapilheira foliar em três sistemas florestais no Sudoeste da Bahia. Revista Brasileira de Biociências 2014; 12(3): 164-172.

Vieira M, Shumacher MV. Variação mensal da deposição de serapilheira em povoamento de Pinus taeda L. em área de campo nativo em Cambará do Sul-RS. Revista Árvore 2010a; 34(3): 487-494. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000300012.

Vieira M, Shumacher MV. Teores e aporte de nutrientes na serapilheira de Pinus taeda L., e sua relação com a temperatura do ar e pluviosidade. Revista Árvore 2010b; 34(1): 85-94. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000100010.

Vogt KA, Grier CC, Vogt DJ. Production, turnover and nutrient dynamics of above- and below-ground detritus of world forests. Advances in Ecological Research 1986; 15: 303-366. http://dx.doi.org/10.1016/S0065-2504(08)60122-1.

Werneck MS, Pedralli G, Gieseke LF. Produção de serapilheira em três trechos de uma floresta semidecídua com diferentes graus de perturbação na Estação Ecológica do Tripuí, Ouro Preto-MG. Revista Brasileira de Botanica. Brazilian Journal of Botany 2001; 24(2): 195-198. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042001000200009.
 

5ce3f0180e8825d26e5bc099 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections