Floresta e Ambiente
http://floram.org/journal/floram/article/doi/10.1590/2179-8087.082114
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Microclima e Conforto Térmico de um Fragmento de Floresta Urbana em Curitiba, PR

Microclimate and Thermal Comfort of an Urban Forest Fragment in Curitiba, Parana State, Brazil

Martini, Angeline; Biondi, Daniela

Downloads: 0
Views: 192

Resumo

O objetivo deste trabalho foi comparar o microclima e conforto térmico proporcionado por um fragmento de floresta urbana existente no Campus III da UFPR com outros ambientes: gramado, estacionamento e bosque de pinus. Para isso foram coletados dados meteorológicos nas quatro estações do ano. Os resultados encontrados mostram que os demais ambientes estudados são estatisticamente distintos do fragmento de floresta urbana, pois apresentaram maiores valores de temperatura do ar (3,5 °C em média) e menores valores de umidade relativa (em média 16%). O bosque de pinus apresentou a mesma classe de conforto térmico que o fragmento de floresta urbana em todas as estações, predominando a classe “sem estresse”. Os resultados demonstram a importância da cobertura arbórea, pois tanto o fragmento florestal como o bosque de pinus apresentam microclimas mais agradável e confortável termicamente do que os ambientes gramado e estacionamento.

Palavras-chave

estresse térmico, uso e ocupação do solo, condições climáticas.

Abstract

The aim of this research was to compare the microclimate and thermal comfort provided by an urban forest fragment with other environments in the Campus III of the Federal University of Parana - UFPR: lawn, parking lot, and pine grove. To this end, meteorological data were collected in the four seasons. The results indicated that the urban forest fragment was statistically different from the other environments, which showed higher values of air temperature (mean of 3.5 °C) and lower values of relative humidity (mean of 16%). In all seasons, the pine grove showed the same category of thermal comfort of the urban forest fragment, with predominance of the “no stress” class. The results emphasize the importance of tree cover, because both the forest fragment and the pine grove provide more thermally comfortable microclimates than the other environments: lawn and parking lot.

Keywords

thermal stress, land use and occupation, climate conditions.

References

Abreu LV. Avaliação da escala de influência da vegetação no microclima por diferentes espécies arbóreas [dissertação]. Campinas: Faculdade de Engenharia Civil, Universidade Estadual de Campinas; 2008.

Akbari H, Taha H. Impact of trees and white surfaces on residential heating and cooling energy use in four Canadian cities. Energy 1992; 17(2): 141-149. http://dx.doi.org/10.1016/0360-5442(92)90063-6.

Alves EDL, Biudes MS. Os microclimas da Universidade Federal de Mato Grosso/Cuiabá. Ra’e Ga: O Espaço Geográfico em Análise 2011; 23(0): 600-620. http://dx.doi.org/10.5380/raega.v23i0.24923.

Alves EDL, Biudes MS. Padrões da temperatura do ar e da umidade relativa: estudo de caso no Campus de Cuiabá da Universidade Federal de Mato Grosso. Boletim Geografico 2012; 30(3): 5-16.

Amorim MCCT. Climatologia e gestão do espaço urbano. Revista Mercator 2010; No espec: 71-90.

Armson D, Stringer P, Ennos AR. The effect of tree shade and grass on surface and globe temperatures in an urban area. Urban Forestry & Urban Greening 2012; 11(3): 245-255. http://dx.doi.org/10.1016/j.ufug.2012.05.002.

Beltrame MB, Moura GRS. Edificações escolares: infra-estrutura necessária ao processo de ensino e aprendizagem escolar. Toledo: UNIOESTE. [cited 2011 fev. 8]. Available from: http://www.unioeste.br/prppg/mestrados/letras/revistas/travessias/ed_006/EDUCA%C7AO/PDF/EDIFICA%C7%D5ES%20ESCOLARES.pdf.

Biondi D. Arborização urbana: aplicada à educação ambiental nas escolas. Curitiba: O Autor; 2008.

Blażejczyk K, Broede P, Fiala D, Havenith G, Holmér I, Jendritzky G et al. Principles of the new Universal Thermal Climate Index (UTCI) and its application to bioclimatic research in European scale. Miscellanea Geographica 2010; 14: 91-102.

Bröde P, Krüger EL, Rossi FA, Fiala D. Predicting urban outdoor thermal comfort by the Universal Thermal Climate Index UTCI--a case study in Southern Brazil. International Journal of Biometeorology 2012; 56(3): 471-480. http://dx.doi.org/10.1007/s00484-011-0452-3. PMid:21604151.

Chang C, Li M, Chang S. A preliminary study on the local cool-island intensity of Taipei city parks. Landscape and Urban Planning 2007; 80(4): 386-395. http://dx.doi.org/10.1016/j.landurbplan.2006.09.005.

Cruz GCF, Lombardo MA. A importância da arborização para o clima urbano. In: II Seminário Nacional sobre Regeneração Ambiental de Cidades; 2007; Londrina. Londrina: [publisher unknown]; 2007.

Cruz GCF. Clima Urbano de Ponta Grossa – PR: uma abordagem da dinâmica climática em cidade média subtropical brasileira [tese]. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo; 2009.

Dacanal C, Labaki LC, Silva TML. Vamos passear na floresta! O conforto térmico em fragmentos florestais urbanos. Ambiente Construído 2010; 10(2): 115-132. http://dx.doi.org/10.1590/S1678-86212010000200008.

França MS. Microclimas e suas relações com o uso do solo no entorno de escolas públicas na cidade de Cuiabá/MT. Revista Educação. Cultura e Scuola 2012; 2(2): 148-161.

Gheno EL, França MS, Maitelli SF. Variações microclimáticas na área urbana de Sinop no final da estação chuvosa. Revista Educação. Cultura e Scuola 2012; 2(1): 139-153.

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC. Desenvolvimento sustentável: indicadores de sustentabilidade de Curitiba – 2010. Curitiba; 2011.

Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba - IPPUC. Curitiba em Dados. Curitiba. [cited 2013 jan. 17]. Available from: http://www.ippuc.org.br/Bancodedados/Curitibaem dados/Curitiba_em_dados_Pesquisa.htm.

Instytut Geografii i Przestrzennego Zagospodarowania - IGPZ. Bioklima. [cited 2012 july 18]. Available from: http://www.igipz.pan.pl/Bioklima-zgik.html.

Internacional Organization for Stardardization - ISO. ISO 7726: ergonomics of the thermal environment: instruments of measuring physycal quantities. Switzerland; 1998.

International Society of Biometeorology - ISB. Commission 6 for the Development of a Universal Thermal Climate Index (UTCI). Genebra: ISB Commission 6; 2003.

Leal L, Pedrosa-Macedo JH, Biondi D. Censo da arborização do Campus III - Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná. Scientia Agraria 2009; 10(6): 443-453. http://dx.doi.org/10.5380/rsa.v10i6.15718.

Leal L. A influência da vegetação no clima urbano da cidade de Curitiba – PR [tese]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2012.

Lima EM No. Aplicação do sistema de informações geográficas para o inventário da arborização de ruas de Curitiba, PR [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2011.

Lombardo MA. Ilha de Calor nas Metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: Hucitec; 1985.

Machado NG, Friedlander VA, Sanches L, Biudes MS. Temperatura e umidade relativa do ar na estação seca em diferentes usos do solo no Campus Cuiabá - Bela Vista do IFMT. Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental 2013; 9(9): 2018-2025.

Mahmoud AHA. Analysis of the microclimatic and human comfort conditions in an urban park in hot and arid regions. Building and Environment 2011; 46: 2641-2656.

Martini A, Biondi D, Batista AC, Lima EM No. Microclima e conforto térmico de um fragmento florestal na cidade de Curitiba-PR, Brasil. In: V Congreso Forestal Latinoamericano; 2011; Lima. Lima: [publisher unknown]; 2011.

Mascaró L, Mascaró JJ. Ambiência urbana. 3rd ed. Porto Alegre: +4; 2009.

Reis CS, Conceição GM. Aspectos florísticos de um fragmento de vegetação, localizado no Município de Caxias, Maranhão, Brasil. Scientia Plena 2010; 6(2): 2-17.

Roderjan CV, Galvão F, Kuniyoshi YS, Hatschbach GG. As unidades fitogeográficas do Estado do Paraná. Ciência & Ambiente 2002; 24: 75-92.

Rondon RM No, Kozera C, Andrade RR, Cecy AT, Hummes AP, Fritzsons E et al. Caracterização florística e estrutural de um fragmento de Floresta Ombrófila Mista, em Curitiba, PR – Brasil. Floresta 2002; 32(1): 3-16.

Santos JS, Melo BCB, Araújo LE, Melo EEC. Caracterização do campo térmico urbano e suas relações com o uso e ocupação do solo no Campus Central da UFPB. Revista Brasileira de Geografia Física 2011; 3: 445-462.

Silva IM, Gonzalez LR, Silva DF Fo. Recursos naturais de conforto térmico: um enfoque urbano. Revista da Sociedade Brasileira de Arborização Urbana 2011; 6(4): 35-50.

Smith CL, Webb A, Levermore GJ, Lindley SJ, Beswick K. Fine-scale spatial temperature patterns across a UK conurbation. Climatic Change 2011; 109(3-4): 269-286. http://dx.doi.org/10.1007/s10584-011-0021-0.

Soares RV, Batista AC. Meteorologia e climatologia florestal. Curitiba: FUPEF; 2004.

Souza YL, Borsato VA. O índice de conforto térmico na primavera de 2009 em Campo Mourão. In: VI Encontro de Produção Científica e Tecnológica; 2011; Campo Mourão, PR. Campo Mourão: FECILCAM; 2011.

Universal Thermal Climate Index - UTCI. Documents: assessment scale. [cited 2012 may 15]. Available from: http://www.utci.org/index.php.
588e228be710ab87018b4809 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections