Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.135415
Floresta e Ambiente
Original Article Forest Management

Modelos Volumétricos de Dupla Entrada para Aplicar em Povoamentos Florestais Brasileiros

Double Entry Volumetric Models for Use in Brazilian Forest Stands

Valdir Carlos Lima de Andrade

Downloads: 0
Views: 105

Resumo

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi apresentar alguns modelos volumétricos de dupla entrada desenvolvidos para quantificar o volume de madeira no Brasil. Como estudo de caso, dados de 180 árvores-amostra de Eucalyptus urophylla e Eucalyptus grandis com idade entre 5 a 7 anos foram utilizados. Para avaliar o desempenho dos modelos volumétricos foram adotados os critérios estatísticos: erro padrão residual, coeficiente de determinação ajustado, média dos erros absolutos, soma de quadrados dos erros relativos, média dos erros percentuais, desvio padrão dos erros, coeficiente de determinação, raiz quadrada do erro médio e análise da distribuição de resíduos. Selecionou-se um modelo volumétrico desenvolvido a partir da equação de fator de forma adaptado ao modelo biomatemático de Gompertz.

Palavras-chave

inventário florestal, equações volumétricas, biometria florestal

Abstract

ABSTRACT: This study aimed to present some double entry volumetric models developed to quantify the volume of wood in Brazil. As a case study, we used data of 180 trees-sample of Eucalyptus urophylla and Eucalyptus grandis aged 5-7 years. To evaluate the volumetric models performance, we used the following statistical criteria, standard error of the estimate, adjusted coefficient of determination, mean absolute error, sum of squared of relative errors, average of percentage error, standard deviation of the errors, determination coefficient between actual and predicted volume, square root of the average error and analysis of the distribution of residuals. We selected a volumetric model developed from the form factor equation adapted to the Gompertz’s biomathematical model.
 

Keywords

forest inventory, volumetric equations, forest biometrics

References

Andrade VCL, Leite HG. Uso da geometria analítica para quantificação do volume de árvores individuais. Revista Árvore 2001; 24(4): 481-486.

Andrade VCL, Scolforo JRS. Identidade e acurácia de equações volumétricas obtidas por meio de geometria analítica. In: Anais da 48ª RBRAS – Reunião Anual da Região Brasileira da Sociedade Internacional de Biometria e 10º SEAGRO – Simpósio de Estatística Aplicada à Experimentação Agronômica [CD-ROM]; 2003; Lavras. Lavras: Universidade Federal de Lavras; 2003.

Azevedo GB, Souza GTO, Barreto PAB, Conceição V Jr. Estimativas volumétricas em povoamentos de Eucalipto sob regime de alto fuste e talhadia no sudoeste da Bahia. Pesquisa Florestal Brasileira 2011b; 31(68): 309-318. http://dx.doi.org/10.4336/2011.pfb.31.68.309.

Azevedo TL, Mello AA, Ferreira RA, Sanquetta CR, Nakajima NY. Equações hipsométricas e volumétricas para um povoamento de sp. localizado na FLONA do Ibura, Sergipe. EucalyptusRevista Brasileira de Ciências Agrárias 2011a; 6(1): 105-112. http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v6i1a861.

Campos JCC, Trevizol TL Jr, Paula F No. Ainda, sobre seleções de equações de volume. Revista Árvore 1985; 9: 115-126.

Carvalho SPC, Mendonça AR, Lima MP, Calegario N. Differente strategies to estimate the commercial volume of (Vell.) Brenan. Anadenanthera colubrinaCerne 2010; 16(3): 399-406. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602010000300016.

Colpini C, Travagin DP, Soares TS, Silva VSM. Determinação do volume, do fator de forma e da porcentagem de casca de árvores individuais em uma Floresta Ombrófila Aberta na região noroeste de Mato Grosso. Acta Amazônica 2009; 39(1): 97-104.

Couto HTZ, Bastos NLM. Modelos de equações de volume e relações hipsométricas para plantações de Eucalyptus no estado de São Paulo. IPEF 1987; 37: 33-44.

Couto HTZ, Vettorazzo SC. Seleção de equações de volume e peso seco comercial para Pinus taeda.Cerne 1999; 5: 69-80.

Ferreira CA, Mello HA, Kajiya S. Estimativa do volume de madeira aproveitável para celulose em povoamentos de spp.: determinação de equações para o cálculo do volume de povoamentos de . EucalyptusEucalyptus sppIPEF 1977; 14: 29-50.

Ferreira JCS, Silva JAA, Miguel EP, Imaña Encinas J, Tavares JA. Eficiência relativa de modelos volumétricos com e sem a variável altura das árvores. Revista Acta Tecnológica 2011; 6(1): 89-102.

Fraga MP, Barreto PAB, Paula A. Estimação de volume de pterogyne nitens em plantio puro no sudoeste da Bahia. Pesquisa Florestal Brasileira 2014; 34(79): 207-215. http://dx.doi.org/10.4336/2014.pfb.34.79.703.

Franco EJ, Scolforo JRS, Mello JM, Oliveira AD. Eficiência dos métodos para estimativa volumétrica de Eucalyptus camaldulensis.Cerne 1997; 3(1): 82-117.

Gomes FS, Maestri R, Sanqueta CR. Avaliação da produção em volume total e sortimento em povoamentos de Pinus taeda L. submetidos a diferentes condições de espaçamento inicial e sítio. Ciência Florestal 1997; 7(1): 101-126.

Higushi N, Gomes B, Santos J, Constantino NA. Tabela de volume para povoamento de plantado no município de Várzea Grande, (MT). Eucalyptus grandisFloresta 1979; 10(1): 43-44.

Imaña-Encinas J, Santana AO, Paula JE, Imaña CR. Equações de volume de madeira para o cerrado de Planaltina de Goiás. Floresta 2009; 39(1): 107-116. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v39i1.13731.

Leite HG, Andrade VCL. Importância das variáveis altura dominante e altura total em equações hipsométricas e volumétricas. Revista Árvore 2003; 27(3): 301-310. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000300005.

Loetsch F, Zohrer F, Haller KE. Forest inventory. 2nd ed. Manchem: BLV; 1973. 479 p.

Machado SA, Conceição MB, Figueiredo DJ. Modelagem do volume individual para diferentes idades e regimes de desbaste em plantações de Pinus oocarpa.Ciências Exatas e Naturais 2002; 4(2): 185-196.

Machado SA, Figura MA, Silva LCR, Teo SL, Stolle L, Urbano E. Modelagem volumétrica para bracatinga (Mimosa scabrella) em povoamentos da região metropolitana de Curitiba. Pesquisa Florestal Brasileira 2008; 56: 17-29.

Machado SA. Estimativa de sobrevivência de em plantios homogêneos. Pinus taedaFloresta 1979; 10(1): 73-76.

Melo LC, Barreto PAB, Oliveira FGRB, Novaes AB. Estimativas volumétricas em povoamento de var. no sudoeste da Bahia. Pinus caribaeahondurensisPesquisa Florestal Brasileira 2013; 33(76): 379-386. http://dx.doi.org/10.4336/2013.pfb.33.76.459.

Miguel EP, Lea FA, Hono HA, Leal UAS. Modelagem na predição do volume individual em plantio de Eucalyptus urograndis.Revista Brasileira de Biometria 2014; 32(4): 584-598.

Moraes SP No. Estimativas de volume de Pinus tecunumanii no Cerrado do Distrito Federal. Planaltina: Embrapa Cerrados; 2009. 16 p. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, 231.

Muller MD, Salles TT, Paciulo DSC, Brighenti AM, Castro CRT. Equações de altura, volume e afilamento para eucalipto e acácia estabelecidos em sistema silvipastoril. Floresta 2014; 44(3): 473-484. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v44i3.33149.

Ogaya N. Kubierungs formeln and best andesmassen formeln [thesis]. Freiburg: Forest Science, University Freiburg; 1968.

Paula F No, Souza AL, Quintaes PCG, Soares VP. Análise de equações volumétricas para , segundo o método de regeneração na região de José de Melo-MG. Eucalyptus sppRevista Árvore 1983; 7(1): 56-70.

Paula F No. Tabelas volumétricas com e sem casca para Eucalyptus saligna.Revista Árvore 1977; 1(1): 31-54.

Pelissari AL, Lanssanova LR, Drescher R. Modelos volumétricos para Pinus tropicais, em povoamento homogêneo, no Estado de Rondônia. Pesquisa Florestal Brasileira 2011; 31(67): 173-181. http://dx.doi.org/10.4336/2011.pfb.31.67.173.

Rezende AV, Vale AT, Sanquetta CR, Figueiredo A Fo, Felfili JM. Comparação de modelos matemáticos para estimativa do volume, biomassa e estoque de carbono da vegetação lenhosa de um cerrado em Brasília, DF. sensu strictoScientia Forestalis 2006; 71: 65-76.

Rocha TB, Cabacinha CD, Almeida RC, Paula A, Santos RC. Avaliação de métodos de estimativa de volume para um povoamento de s. T. Blake no Planalto da Conquista-BA. Eucalyptus urophyllaEnciclopédia Biosfera 2010; 6: 1-13.

Rolim SG, Couto HTZ, Jesus RM, Franca JT. Modelos volumétricos para a floresta nacional do Tapirapé-aquirí, Serra dos Carajás (PA). Acta Amazonica 2006; 36(1): 107-114. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672006000100013.

Schneider PR, Coelho MCB, Zanon MLB, Finger CAG, Klein JEM. Equações de volume para E Maiden, determinadas para a Depressão Central do Estado do Rio Grande do Sul. ucalyptus dunniiCiência Rural 1997; 27(3): 425-428. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84781997000300010.

Schneider PR, Tonini H. Utilização de variáveis dummy em equações de volume para De Wild. Acacia mearnsiiCiência Florestal 2003; 13(2): 121-129.

Scolforo JRS, Mello JM, Lima CSA. Obtenção de relações quantitativas para estimativa de volume do fuste em floresta estacional semidecídua montana. Cerne 1994; 1(1): 123-134.

Silva EM, Santana AC. Modelos de regressão para estimação do volume de árvores comerciais, em florestas de Paragominas. Revista Ceres 2014; 61(5): 631-636. http://dx.doi.org/10.1590/0034-737X201461050005.

Silva ENS, Santana AC, Queiroz WT, Souza RJ. Estimação de equações volumétricas para árvores de valor comercial em Paragominas, estado do Pará. Amazônia. Ciência & Desenvolvimento 2011; 7(13): 7-18.

Silva JAA, Machado SA, Borders BE. Aumento da precisão de modelos volumétricos através do uso da transformação de Box e Cox. Cerne 1994; 1(1): 13-16.

Silva JNM, Carvalho MSP. Equações de volume para uma floresta secundária no planalto do Tapajós-Belterra, PA. Boletim de Pesquisa Florestal 1984; 8/9: 1-15.

Silva JNM, Schneider PR. Comparação de equações de volume para povoamento de de Wild (Acácia negra) no Estado do Rio Grande do Sul. Acacia mearnsiiFloresta 1979; 10(1): 36-42.

Silva MLM, Binoti DHB, Gleriani JM, Leite HG. Ajuste do modelo de Schumacher e Hall e aplicação de redes neurais artificiais para estimar volume de árvores de eucalipto. Revista Árvore 2009; 33(6): 1133-1139. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622009000600015.

Siqueira JDP. Tabelas de volume para povoamentos nativos de (Bert) O. Ktze, no sul do Brasil. Araucaria angustifoliaFloresta 1977; 8(1): 7-12.

Soares CPB, Silva GF, Martins FB. Influence of section lengths on volume determination in Eucalyptus trees. . CerneLavras 2010; 16(2): 155-162.

Thaines F, Braz EM, Mattos PV, Thaines AAR. Equações para estimativa de volume de madeira para a região do Rio Ituxi, Lábrea, AM. Pesquisa Florestal Brasileira 2010; 30(64): 283-289. http://dx.doi.org/10.4336/2010.pfb.30.64.283.

Thiersch CR, Scolforo JRS, Oliveira AD, Maestri R, Rezende GDSP. Acurácia dos métodos para estimativa do volume comercial de clones de Eucalyptus sp. Cerne 2006; 12: 167-181.

Thomas C, Andrade CM, Schneider PR, Finger CAG. Comparação de equações volumétricas ajustadas com dados de cubagem e análise de tronco. Ciência Florestal 2006; 16(3): 319-327. http://dx.doi.org/10.5902/198050981911.

Veiga RAA, Brasil MAM. Peso de matéria seca e volume do Deane ex Maiden: equações. Eucalyptus propinquaBoletim Técnico: Instituto Florestal 1981; 35(2): 73-84.

Veiga RAA, Carvalho CM, Brasil MAM. Determinação de equações de volume para árvores de Wild. Acacia mangiumCerne 2000; 6: 103-107.

Veiga RAA. Comparação de equações de volume para Eucalyptus saligna Smith. I: equações aritméticas não formais. Floresta 1972; 4(1): 81-94.
 

58ff50730e8825246babdcf4 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections