Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.082714
Floresta e Ambiente
Original Article Forest Management

Inventário Florestal Utilizando Técnicas de Silvicultura de Precisão em Povoamentos de Eucalyptus grandis Hill ex Maiden

Forest Inventory Using Precision Forestry Techniques in Eucalyptus grandis Hill ex Maiden Stands

Mauricio Castro dos Santos; Marcelo Roveda; Magda Lea Bolzan Zanon; Afonso Figueiredo Filho; Mailson Roik; João Maurício Pacheco; Vanessa Scavinski

Resumo

Este estudo teve por objetivo determinar o estoque de madeira por amostragem sistemática e pelas tecnologias de geoinformação a fim de elaborar mapas de produtividade florestal, como forma de pós-estratificação do inventário florestal. Foram alocadas 24 parcelas de 625 m2 posicionadas a cada 70 m de distância. O mapa de produtividade foi gerado após seleção de um modelo para ajuste do semivariograma entre os volumes das parcelas. Estimou-se um volume total de 3.753,9 m3 com o inventário florestal por amostragem sistemática, enquanto com o mapa de produtividade elaborado com técnicas de silvicultura de precisão determinou-se um volume total de 3.768,9 m3. A análise de variância comprovou que existe diferença significativa entre as médias dos estratos e a partir desta constatação as estimativas foram geradas por estrato, estimando-se então, um volume total de 3.772,9 m3. A técnica de silvicultura de precisão mostrou ser uma ferramenta eficiente na pós-estratificação de inventários florestais.

Palavras-chave

variabilidade espacial, geoestatística, produtividade florestal

Abstract

This study aimed to determine the wood stock through systematic sampling and geoinformation technologies in order to elaborate maps of forest productivity as a forest post-stratification inventory. We positioned 24 plots of 625 m2 each ina distance of 70 m from each other. The yield map was generated after selecting a model for semivariogram adjustment between volumes in the plots. A 3,753.9 m3 total volume was estimated in the forest inventory through systematic sampling, while the yield map produced with precision forestry techniques showed a total volume of 3,768.9 m3. The analysis of variance showed that there is a significant difference between the means of the strata and based on this fact, the estimates were generated per stratum, then the total volume of 3,772.9 m3 was estimated. The precision forestry technique proved to be an efficient tool in the post-stratification of forest inventories.

Keywords

spatial variability, geoestatistical, forest productivity

References

Biondi F, Myers DE, Avery CC. Geostatistically modeling stem size and increment in an old-growth forest. Canadian Journal of Forest Research 1994; 24(1): 1354-1368. http://dx.doi.org/10.1139/x94-176.

Bognola IA, Justiniano PR Jr, Silva EAA, Lingnau C, Higa AR. Modelagem uni e bivariada da variabilidade espacial de rendimento de Pinus taeda L. Revista Floresta 2008; 38(2): 373-385.

Brandelero C, Antunes MUF, Giotto E. Silvicultura de precisão: mapeamento, inventário e geoestatística. Revista Geomática 2007; 2(1): 15-25.

Cambardella CA, Moorman TB, Novak JM, Parkin TB, Karlen DL, Turco RF et al. Field-scale variability of soil properties in central Iowa soils. Soil Science Society of America Journal 1994; 58(5): 1501-1511. http://dx.doi.org/10.2136/sssaj1994.03615995005800050033x.

Carvalho MP, Mendonça VZ, Pereira FCBL, Arf MV, Kappes C, Dalchiavon FC. Produtividade de madeira do eucalipto correlacionada com atributos do solo visando ao mapeamento de zonas específicas de manejo. Ciência Rural 2012; 42(10): 1797-1803. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782012005000078.

Finger CAG. Tabelas para o manejo florestal de Eucalyptus grandis e Eucalyptus saligna, em primeira e segunda rotações. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 1997.

Giotto E. Agricultura de precisão: estruturação de mapas de produtividade a partir de arquivos de produção em formato texto (CSV). Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2008.

Gonçalves JLM, Alvares CA, Gonçalves TD, Moreira RM, Mendes JCT, Gava JL. Mapeamento de solos e da produtividade de plantações de em Itatinga, SP, com uso de sistema de informação geográfica. Eucalyptus grandisScientia Forestalis 2012; 94(1): 187-201.

Guedes ICL, Mello JM, Mello CR, Oliveira AD, Silva ST, Scolforo JRS. Técnicas Geoestatísticas e Interpoladores espaciais na Estratificação de povoamento de Eucalyptus sp. Ciência Florestal 2012; 22(3): 541-550. http://dx.doi.org/10.5902/198050986621.

Hack C. Respostas da vegetação remanescente e da regeneração natural em uma Floresta Ombrófila Mista cinco anos após intervenções de manejo [dissertação]. Santa Maria: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Maria; 2007.

Höck BK, Payn TW, Shirley JW. Using a geographic information system and geostatistics to estimate site index of Pinus radiata for Kaingaroa Forest, New Zealand. New Zealand Journal of Forestry Science 1993; 23(3): 264-277.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Mapas de solos do Brasil. 33rd ed. Rio de Janeiro: IBGE; 1986.

Isaaks EH, Srivastava RM. Applied geoestatistics: an introduction to. New York: Oxford University Press; 1989.

Jesus CM, Miguel EP, Azevedo GB, Azevedo GTOS, Pereira RS. Modelagem hipsométrica em povoamento clonal de x . Eucalyptus urophyllaEucalyptus grandis no Distrito FederalEnciclopédia Biosfera 2015; 11(21): 1298-1308.

Kanegae H Jr, Scolforo JRS, Mello JM, Oliveira AD. Avaliação de interpoladores estatísticos e determinísticos como instrumento de estratificação de povoamentos clonais de sp. EucalyptusCerne 2006; 12(2): 123-136.

Leal FA, Miguel EP, Matricardi EAT. Mapeamento de unidades produtivas utilizando a interpolação geoespacial krigagem a partir do inventário florestal em um povoamento de Eucalyptus urophylla S. T. Blake. Enciclopédia da Biosfera 2011; 7(13): 727-745.

Lima CGR, Carvalho MP, Narimatsu KCP, Silva MG, Queiroz HA. Atributos físico-químicos de um Latossolo do cerrado brasileiro e sua relação com características dendrométricas do eucalipto. Revista Brasileira de Ciencia do Solo 2010; 34(1): 163-173. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-06832010000100017.

Marchiori JNC, Sobral M. Dendrologia das angiospermas: Myrtales. Santa Maria: UFSM; 1997.

Mello JM, Batista JLF, Oliveira MS, Justiniano PR Jr. Estudo da dependência espacial de características dendrométricas para Eucalyptus grandis.Cerne 2005; 11(2): 113-126.

Mello JM, Diniz FS, Oliveira AD, Scolforo JRS, Acerbi FW Jr, Thiersch CR. Métodos de amostragem geoestatística para estimativa do número de fustes e volume em plantios de Eucalyptus grandis.Revista Floresta 2009; 39(1): 157-166.

Mello JM, Oliveira MS, Batista JLF, Justiniano PR Jr, Kanegae H Jr. Uso do estimador geoestatístico para predição volumétrica por talhão. Floresta 2006; 36(2): 251-260. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v36i2.6454.

Moreno JA. Clima do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Agricultura; 1961.

Nanos N, Tadesse W, Montero G, Gil L, Alia R. Spatial stochastic modeling of resin yield from pine stands. Canadian Journal of Forest Research 2001; 31(1): 1140-1147. http://dx.doi.org/10.1139/x01-047.

Pelissari AL, Figueiredo A Fo, Caldeira SF, Machado SA. Geoestatística aplicada ao manejo de povoamentos florestais de teca, em períodos pré-desbaste seletivo, no estado do Mato Grosso. Revista Brasileira de Biometria 2014; 32(3): 430-444.

Péllico NS, Brena DA. Inventário florestal. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 1997.

Rosa G Fo, Carvalho MP, Montanari R, Silva JM, Siqueira GM, Zambianco EC. Variabilidade espacial de propriedades dendrométricas do eucalipto e de atributos físicos de um Latossolo Vermelho. Bragantia 2011; 70(2): 439-446. http://dx.doi.org/10.1590/S0006-87052011000200027.

Rufino TMC, Thiersch CR, Ferreira SO, Kanegae H Jr, Fais D. Uso da geoestatística no estudo da relação entre variáveis dentrométricas de povoamentos de Eucalyptus sp. e atributos do solo. Ambiência 2006; 2(1): 83-93.

Santos PC, Santana AC, Barros PLC, Queiroz JCB, Vieira TO. O emprego da geoestatística na determinação do tamanho “ótimo” de amostras aleatórias com vistas à obtenção de estimativas dos volumes dos fustes de espécies florestais em Paragominas, estado do Pará. Acta Amazonica 2011; 41(2): 213-222. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672011000200005.

Sousa GTO, Azevedo GB, Barreto PAB, Conceição V Jr. Relações hipsométricas para Eucalyptus urophylla conduzidos sob regime de alto fuste e talhadia no Sudoeste da Bahia. Scientia Plena 2013; 9(4): 1-7.

Trangmar BB, Yost RS, Uehara G. Application of geostatistics to spatial studies of soil properties. Advances in Agronomy 1985; 38(1): 54-94.

Vettorazzi CA, Ferraz SFB. Silvicultura de precisão: uma nova perspectiva para o gerenciamento de atividades florestais. In: Borém A, Giúdice MP, Queiroz DM. Agricultura de precisão. Viçosa: Editora UFV; 2000.

Vieira SR. Uso de geoestatística em estudos de variabilidade espacial de propriedades do solo. In: Novais RF, Alvarez VH, Schaefer, CEGR, organizadores. Tópicos em ciência do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo; 2000.
 

58dd105f0e88257d5858baeb floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections