Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.033916
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Litterfall and Nutrient Dynamics in a Mature Atlantic Rainforest in Brazil

Sloboda, Bárbara; Marques, Renato; Bianchin, Jonas; Blum, Hilbert; Donha, Cristine; Silveira, Fabiana; Capretz, Robson

Downloads: 0
Views: 144

Abstract

We assessed litterfall and nutrient cycling in an old-growth Atlantic rainforest in southern Brazil. Plant litter collected monthly was separated into: leaves, twigs, reproductive organs, and fragments, and dried, weighed, and ground. Determination of carbon, nitrogen, phosphorus, potassium, calcium, magnesium, and sodium contents of different litter fractions was also performed. The total deposition was 8.44 Mg-1 ha-1 year-1, with a higher proportion of leaves fraction. Litterfall predominated in spring and summer, coinciding with the highest average temperature and rainfall in the study area. For leaves, twigs and fragments, the elements sequence of concentration was C>N>Ca>K>Mg>P>Na; whereas for reproductive organs it was C>N>K>Ca>Mg>P>Na. A higher concentration of nutrients was observed in spring and summer for the leaves fraction. The quantitative transfer of nutrients by litterfall fractions to the forest soil followed the same sequence observed for the concentration of nutrients.

Keywords

biogeochemistry, Dense Ombrophilous Forest, nutrient deposition, litterfall.

References

Abreu JRSP, Oliveira RR, Montezuma RCM. Dinâmica da serapilheira em um trecho de floresta atlântica secundária em área urbana do Rio de Janeiro. Pesquisas Botânicas 2010; 61: 279-291.

Aryal DR, De Jong BHJ, Ochoa-Ganoa S, Mendoza-Veja J, Esparza-Olguin L. Successional and seasonal variation in litterfall and associated nutrient transfer in semi-evergreen tropical forests of SE Mexico. Nutrient Cycling in Agroecosystems 2015; 103(1): 45-60. http://dx.doi.org/10.1007/s10705-015-9719-0.

Bianchin JE, Marques R, Britez RM, Capretz RL. Deposição de fitomassa em formações secundárias na Floresta Atlântica do Paraná. Floresta e Ambiente 2016; 23(4): 524-533. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.134015.

Bianchin JE. Aporte de fitomassa e nutrientes em florestas secundárias da Mata Atlântica no litoral do Paraná [dissertation]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 2013.

Bormann HF, Likens GE. The nutrient cycles of an ecosystem. Scientific American 1970; 233(4): 92-101. http://dx.doi.org/10.1038/scientificamerican1070-92.

Britez RM, Reissmann CB, Silva SM, Santos-Filho A. Deposição estacional de serapilheira e macronutrientes em uma floresta de Araucária, São Mateus do Sul, Paraná. Revista do Instituto Florestal 1992; 4(3): 766-772.

Britez RM. Ciclagem de nutrientes minerais em duas florestas da planície litorânea da Ilha do Mel, Paranaguá, PR [dissertation]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 1994.

Calvi GP, Pereira MG, Espíndula A Jr. Produção de serapilheira e aporte de nutrientes em áreas de floresta atlântica em Santa Maria de Jetibá, ES. Ciência Florestal 2009; 19(2): 131-138. http://dx.doi.org/10.5902/19805098404.

Chazdon RL, Peres CA, Dent D, Sheil D, Lugo AE, Lamb D et al. The potential for species conservation in tropical secondary forests. Conservation Biology 2009; 23(6): 1406-1417. PMid:20078641. http://dx.doi.org/10.1111/j.1523-1739.2009.01338.x.

Cunha GC, Grendene LA, Durlo MA, Bressan DA. Nutrient cycling in a seasonal deciduous forest with special respect to the mineral content produced by the litter fall. Ciência Florestal 1993; 3(1): 36-64.

Dickow KMC. Ciclagem de fitomassa e nutrientes em sucessão secundária na Floresta Atlântica, Antonina, PR [thesis]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 2010.

Dickow KMC, Marques R, Pinto CB, Höfer H. Produção de serapilheira em diferentes fases sucessionais de Floresta Atlântica secundária, em Antonina, PR. Cerne 2012; 18(1): 75-86. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602012000100010.

Epstein E, Bloom AJ. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. Londrina: Planta; 2006.

Ferreti AR, Britez RM. A restauração da Floresta Atlântica no litoral do estado do Paraná: os trabalhos da SPVS. In: Galvão APM, Silva P, editors. Restauração Florestal: fundamentos e estudos de caso. Colombo: EMBRAPA Florestas; 2005.

Figueiredo A Fo, Moraes GF, Schaaf LB, Figueiredo DJ. Avaliação estacional da deposição de serapilheira em uma Floresta Ombrófila Mista localizada no sul do Estado do Paraná. Ciência Florestal 2003; 13(1): 11-18.

Galindo-Leal C, Câmara IG. Status do hot spot Mata Atlântica: uma síntese. In: Galindo-Leal C, Câmara IG, editors. Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. São Paulo: Fundação SOS Mata Atlântica – Conservação Internacional; 2005.

Gama-Rodrigues AC, Barros NF. Ciclagem de nutrientes em floresta natural e em plantios de eucalipto e de dandá no sudeste da Bahia, Brasil. Revista Árvore 2002; 26(2): 193-207.

Golley FB, McGinnis JT, Clements RG. Ciclagem de minerais em um ecossistema de floresta tropical úmida. São Paulo: Pedagógica e Universitária; 1978.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Manual técnico de pedologia. 2nd ed. Rio de Janeiro: IBGE; 2007.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira: sistema fitogeográfico, inventário das formações florestais e campestres, técnicas e manejo de coleções botânicas, procedimentos para mapeamentos. 2nd ed. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social – IPARDES. Zoneamento da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba. Curitiba: IPARDES; 2001.

Jackson JF. Seasonality of flowering and leaf-fall in a Brazilian subtropical lower montane moist forest. Biotropica 1978; 10(1): 38-42. http://dx.doi.org/10.2307/2388103.

Köppen W. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica; 1948.

Lopes MIS, Domingos M, Struffaldi-De Vuono Y. Ciclagem de nutrientes minerais. In: Syslvestre LS, Rosa MMT, editors. Manual metodológico para estudos botânicos na mata atlântica. Seropédica: EDUR-UFRRJ; 2002.

Maack R. Geografia física do Estado do Paraná. 3rd ed. Curitiba: Imprensa Oficial; 2002.

Machado DL, Pereira MG, Correia MEF, Diniz AR, Santos LL, Menezes CEG. Ciclagem de nutrientes em diferentes estádios sucessionais da Mata Atlântica na bacia do rio Paraíba do Sul, RJ. Bioscience Journal 2015; 31(4): 1222-1237. http://dx.doi.org/10.14393/BJ-v31n1a2015-23092.

Martins APL, Reissmann CB. Material vegetal e as rotinas laboratoriais nos procedimentos químico-analíticos. Scientia Agrária 2007; 8(1): 1-17. http://dx.doi.org/10.5380/rsa.v8i1.8336.

Martins KG. Deposição e decomposição de serapilheira em uma Floresta Ombrófila Densa das Terras Baixas sobre solos hidromórficos na Estação Ecológica da Ilha do Mel – PR [dissertation]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 2004.

Martins SC. Caracterização dos solos e serapilheira ao longo do gradiente altitudinal da Mata Atlântica, Estado de São Paulo [thesis]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Menezes CEG, Pereira MG, Correia MEF, Anjos LHC, Paula RR, Souza ME. Aporte e decomposição da serapilheira e produção de biomassa radicular em florestas com diferentes estágios sucessionais em Pinheiral, RJ. Ciência Florestal 2010; 20(3): 439-452. http://dx.doi.org/10.5902/198050982059.

Moraes RM, Delitti WB, Struffaldi-Devuono Y. Litterfall and litter nutrient content in two Brazilian Tropical Forest. Brazilian Journal of Botany 1999; 22(1): 9-16. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84041999000100002.

Pereira MG, Menezes LFT, Schultz N. Aporte e decomposição da serapilheira na Floresta Atlântica, ilha da Marambaia, Mangaratiba, RJ. Ciência Florestal 2008; 18(4): 443-454. http://dx.doi.org/10.5902/19805098428.

Pezzatto AW, Wisniewski C. Produção de serapilheira em diferentes seres sucessionais da Floresta Estacional Semidecidual no oeste do Paraná. Floresta 2006; 36(1): 111-120. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v36i1.5596.

Pinto CB, Marques R. Aporte de nutrientes por frações da serapilheira em sucessão ecológica de um ecossistema da Floresta Atlântica. Floresta 2003; 33(3): 257-264. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v33i3.2256.

Pinto SIC, Martins SV, Barros NF, Dias HCT. Produção de serapilheira em dois estádios sucessionais de Floresta Estacional Semidecidual na Reserva Mata do Paraíso, em Viçosa, MG. Revista Árvore 2008; 32(3): 545-556. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000300015.

Pires LA, Britez RM, Martel G, Pagano SN. Produção, acúmulo e decomposição da serapilheira em uma restinga da Ilha do Mel, Paranaguá, PR, Brasil. Acta Botanica Brasílica 2006; 20(1): 173-184. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062006000100016.

Poggiani F, Schumacher MV. Ciclagem de nutrientes em florestas nativas. In: Gonçalves JLM, Benedetti V, editors. Nutrição e fertilização florestal. Piracicaba: IPEF; 2000.

Protil CZ. Contribuição de quatro espécies arbóreas ao ciclo biogeoquímico em Floresta Atlântica na planície litorânea do Paraná [dissertation]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 2006.

Ribeiro MC, Metzger JP, Martensen AC, Ponzoni FJ, Hirota MM. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest disturbed? Implications for conservation. Biological Conservation 2009; 142(6): 1141-1153. http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009.02.021.

Rocha AA. Deposição de fitomassa e nutrientes, acumulação e decomposição de serapilheira em três tipologias da Floresta Atlântica, Paranaguá, PR [dissertation]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 2006.

Roderjan CV, Galvão F, Kuniyoshi YS, Hatschbach GG. As unidades fitogeográficas do Estado do Paraná. Ciência e Ambiente 2002; 24: 75-92.

Roderjan CV, Kunyoshi YS. Macrozoneamento florístico da Área de Proteção Ambiental – APA – Guaraqueçaba. Curitiba: FUPEF; 1988.

Sampaio EVSB, Nunes KS, Lemos EEP. Ciclagem de nutrientes na mata de Dois Irmãos (Recife-PE) através da queda de material vegetal. Pesquisa Agropecuaria Brasileira 1988; 23(10): 1055-1061.

Santos HG, Jacomine PKT, Anjos LHC, Oliveira VA, Oliveira JB, Coelho MR et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3rd ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos; 2013.

Scheer MB. Ciclagem de nutrientes em um trecho de Floresta Ombrófila Densa Aluvial em regeneração Guaraqueçaba, PR [dissertation]. Curitiba: Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná; 2006.

Schumacher MV, Brun EJ, Rodrigues LM, Santos EM. Retorno de nutrientes via deposição de serapilheira em um povoamento de Acácia Negra (Acacia mearnsii Wild) no estado do Rio Grande do Sul. Revista Árvore 2003; 27(6): 791-798. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000600005.

Schumacher MV, Trüby P, Marafiga JM, Viera M, Szymczak DA. Espécies predominantes na deposição de serapilheira em fragmento de Floresta Estacional Decidual no Rio Grande do Sul. Ciência Florestal 2011; 21(3): 479-486. http://dx.doi.org/10.5902/198050983805.

Spain AV. Litterfall and the standing crop of litter in three tropical Australian rain forests. Journal of Ecology 1984; 72(3): 947-961. http://dx.doi.org/10.2307/2259543.

Toledo LO, Pereira MG. Dinâmica da deposição de serrapilheira em florestas secundárias do município de Pinheiral, RJ. Floresta e Ambiente 2004; 11(1): 39-46.

Vandermeer J, Perfecto I. The agricultural matrix and a future paradigm for conservation. Conservation Biology 2007; 21(1): 274-277. PMid:17298536. http://dx.doi.org/10.1111/j.1523-1739.2006.00582.x.

Varjabedian R, Pagano SN. Produção e decomposição de folhedo em um trecho de Mata Atlântica de Encosta no município de Guarujá, SP. Acta Botanica Brasílica 1988; 1(2): 243-256. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33061987000300023.

Villela DM, Proctor J. Litterfall mass, chemistry and nutrient retranslocation in a monodominant forest on Maracá Island, Roraima, Brazil. Biotropica 1999; 31(2): 198-211. http://dx.doi.org/10.1111/j.1744-7429.1999.tb00132.x.

Vitousek PM, Sanford RL Jr. Nutrient cycling in moist tropical forest. Annual Review of Ecology and Systematics 1986; 17(1): 137-167. http://dx.doi.org/10.1146/annurev.es.17.110186.001033.

5a6b69280e8825325ff53298 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections