Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.030315
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Capacidade de Retenção Hídrica do Estoque de Serapilheira de Eucalipto

Eucalyptus Litter Capacity of Stock and Water Retention

Anne Francis Agostini Santos; Antonio Carlos Pedro Carneiro; Diego Tyszka Martinez; Sidney Fernando Caldeira

Downloads: 0
Views: 112

Resumo

RESUMO: Objetivou-se avaliar o estoque e a retenção hídrica da serapilheira de 15 clones de espécies e de híbridos de Eucalyptus, aos três anos de idade. Foram coletadas amostras de 1 m2 da serapilheira acumulada por repetição. Cada amostra foi separada em frações galhos, folhas e material amorfo. As frações foram secas em estufa de ventilação forçada até peso constante e, posteriormente, foi determinada sua massa seca. A capacidade de retenção hídrica foi determinada com a técnica estabelecida em 1955 por Blow. Não houve diferenças significativas em relação ao estoque de serapilheira, contudo a média de acúmulo foi de 4,96 Mg.ha–1, com variação entre 3,34 e 4,96 Mg.ha–1. As frações contribuíram na seguinte ordem decrescente: folha > material amorfo > galhos. A capacidade de retenção hídrica (CRH) média foi de 249,58%, tendo havido valor significativamente menor para os clones S-0208, S-0303 e S-0412. A frações contribuíram na seguinte ordem decrescente: material amorfo > folhas > galhos. Apesar da diferença significativa entre a CRH das frações, todas contribuem para a retenção hídrica total da serapilheira.

Palavras-chave

espécie exótica, acúmulo, umidade

Abstract

ABSTRACT: This research aimed to evaluate the stock and water retention of 15 litter clones and hybrids of the species Eucalyptus, with three years of age. Samples of 1m2 of accumulated litter were collect by repetition. Each sample was separated into fractions consisting of twigs, leaves and amorphous material. The fractions were dried in a forced air kiln until they reached constant weight and, then the dry mass was determined. The water retention capacity was evaluate using the technique established by Blow in 1955. There were no significant differences reagrding litter stock, however, average accumulation was 4.96 Mg.ha–1 and variation between 3.34 to 4.96 Mg.ha. Fractions contributed in the following descending order: leaf> amorphous material> twigs. Water retention capacity average (WRC) was 249.58%, the value was significantly lower to S-0208, S-0303 and S-0412 clones. The fractions contributed in decreasing order: amorphous material> leaves> twigs. Despite the significant difference between the fractions of WRC, all contribute to total water retention litter.
 

Keywords

exotic species, accumulation, moisture

References

Alvares CA, Stape JL, Sentelhas PC, Gonçalves JLM, Sparovek G. Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift 2013; 711-728.

Balieiro FC, Franco AA, Pereira MG, Campello EFC, Dias LE, Faria SM et al. Dinâmica da serapilheira e transferência de nitrogênio ao solo, em plantios de e Pseudosamanea guachapeleEucalyptus grandis.Pesquisa Agropecuaria Brasileira 2004; 39(6): 597-601. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-204X2004000600012.

Barrett LI. Influence of forest litter on the germination and early survival of chestnut oak, Willd. Quercus montanaEcology 1931; 12(3): 476-484. http://dx.doi.org/10.2307/1928993.

Bellote AFJ, Dedecek RA, Silva HD. Nutrientes minerais, biomassa e deposição de serapilheira em plantio de com diferentes sistemas de manejo de resíduos florestais. EucalyptusPesquisa Florestal Brasileira 2008; 56: 31-41.

Blow FE. Quantity and hydrologic characteristics of litter under upland oak forests in Eastern Tennessee. Journal of Forestry 1955; 53: 190-195.

Costa CCA, Camacho RGV, Macedo ID, Silva PCM. Análise comparativa da produção de serapilheira em fragmentos arbóreos e arbustivos em área de caatinga na Flona de Açu - RN. Revista Árvore 2010; 2(34): 259-265. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000200008.

Cunha FV No, Teles PSS, Pereira MG, Bellumath VGH, Alonson JM. Acúmulo e decomposição da serapilheira em quatro formações florestais. Ciência Florestal 2013; 23(3): 379-387. http://dx.doi.org/10.5902/1980509810549.

Demessie A, Singh BR, Lal R, Strand LT. Leaf litter fall and litter decomposition under and coniferous plantation in Gambo District, southern Ethiopia. EucalyptusActa Agricultura e Scandinavica Section B: Soil and Plant Science 2012; 62: 467-476.

Dzwonko Z, Gawronski S. Influence of litter and weather on seedling recruitment in a mixed oak-pine woodland. Annals of Botany 2002; 90(2): 245-251. PMid:12197522. http://dx.doi.org/10.1093/aob/mcf178.

Facelli JM, Pickett STA. Plant litter: its dynamics and effects on plant community structure. Botanical Review 1991; 57(1): 1-32. http://dx.doi.org/10.1007/BF02858763.

Facelli JM, Williams R, Fricker S, Ladd B. Establishment and growth of seedlings of Eucalyptus obliqua: interactive effects of litter, water, and pathogens. Australian Journal of Ecology 1999; 24(5): 484-494. http://dx.doi.org/10.1046/j.1440-169x.1999.00988.x.

Gonçalves JLM, Nogueira LR, Ducatti F. Recuperação de solos degradados. In: Kageyama PY, Oliveira RE, Moraes LFD, Engel VL, Gandara FB, editores. Restauração ecológica de ecossistemas naturais. Botucatu: FEPAF; 2003.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Classificação da vegetação brasileira, adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE; 1992.

Köppen W. Climatologia: con un estudio de los climas de la tierra. México: Fondo de Cultura Econômica; 1948.

Mateus FA, Miranda CC, Valcarcel R, Figueiredo PHA. Estoque e capacidade de retenção hídrica da serrapilheira acumulada na restauração florestal de áreas perturbadas na Mata Atlântica. Floresta e Ambiente 2013; 20(3): 336-343.

Melos ARM, Sato AM, Coelho AL No. Produção, estoque e retenção hídrica da serrapilheira em encosta sob plantio de híbridos de Eucalyptus urophylla e : médio vale do Rio Paraíba do Sul. Eucalyptus grandisAnuário do Instituto de Geociências 2010; 33(2): 66-73.

Miranda JC. Interceptação das chuvas pela vegetação florestal e serrapilheira nas encostas do Maciço da Tijuca: Parque Nacional da Tijuca, RJ [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1992.

Molofsky J, Augspurger CK. The effect of leaf litter on early seedling establishment in a tropical forest. Ecology 1992; 73(1): 68-77. http://dx.doi.org/10.2307/1938721.

Montezuma RCM. Produção e reabilitação funcional do piso florestal em clareira de deslizamento: Parque Nacional da tijuca, Rio de Janeiro. Anuário do Instituto de Geociências 2005; 28(2): 155-156.

Piovesan G, Schumacher MV, Viera M, Lopes VGWC. Deposição de serapilheira em povoamentos de pinus. Pesquisa Agropecuária Tropical 2012; 42(2): 206-211. http://dx.doi.org/10.1590/S1983-40632012000200012.

Pires LA, Britez RM, Martel G, Pagano SN. Produção, acúmulo e decomposição da serapilheira em uma restinga da Ilha do Mel, Paranaguá, PR, Brasil. Acta Botanica Brasílica 2006; 20(1): 173-1846. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062006000100016.

Reis MG, Barros NF. Ciclagem de nutrientes em plantios de Eucalipto. In: Barros NF, Novais RF, editores. Relação solo-eucalipto. Viçosa: UFV; 1990.

Ribeiro C, Madeira M, Araújo MC. Decomposition and nutrient release from leaf litter of Eucalyptus globulus grown under different water and nutrient regimes. Forest Ecology and Management 2002; 171(1-2): 31-41. http://dx.doi.org/10.1016/S0378-1127(02)00459-0.

Santos SL, Válio IFM. Litter accumulation and its effect on seedling recruitment in a Southeast Brazilian Tropical Forest. Revista Brasileira de Botanica = Brazilian Journal of Botany 2002; 25(1): 89-92. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042002000100011.

Schumacher MV, Corrêa RS, Viera M, Araújo EF. Produção e decomposição de serapilheira em um povoamento de Eucalyptus urophylla x Eucalyptus globulus maidenii.Cerne 2013; 19(3): 501-508. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602013000300018.

Scoriza, RN, Pereira, MP, Pereira, GHA, Machado, DL, Silva, EMR. Métodos para coleta e análise de serapilheira aplicados à ciclagem de nutrientes. Floresta e Ambiente 2012; 2(2): 1-18.

Selle GL. Ciclagem de nutrientes em ecossistemas florestais. Biociência Jornal 2007; 23(4): 29-39.

Souza JA, Davide AC. Deposição de serrapilheira e nutrientes em uma mata não minerada e em plantações de bracatinga () e de eucalipto (Mimosa scabrellaEucalyptus saligna) em áreas de mineração de bauxita. Cerne 2001; 7(1): 101-113.

Vallejo LR. A influência do Litter na distribuição das águas pluviais [dissertação]. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro; 1982.

Vieira HT Jr, Moraes JM, Schobbenhaus C, Paula TLF. Geoparque Chapada dos Guimarães - MT: proposta. Goiânia: CPRM, 2011 [citado em 2014 mar. 01]. 60 p. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/geoecoturismo/geoparques/chapada/caracterizacaofisica.html

Vital ART, Guerrini IA, Franken WK, Fonseca RCB. Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de uma Floresta Estacional Semidecidual em zona ripária. Revista Árvore 2004; 8: 793-800.

Wolkovich EM. Nonnative grass litter enhances grazing arthropod assemblages by increasing native shrub growth. Ecology 2010; 91(3): 756-766.

Zaia FC, Gama-Rodrigues AC. Nutrient cycling and balance in eucalypt plantation systems in north of Rio de Janeiro State, Brazil. Revista Brasileira de Ciencia do Solo 2004; 28(5): 843-852.
 

58ff574f0e8825f26aabdcf7 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections