Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.0262
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Idade Relativa e Tempo de Passagem para Eremanthus incanus (Less.) Less em Uma Área em Recuperação no Município de Diamantina, MG

Relative Age and Passage Time for Eremanthus incanus (Less.) Less in A Recovery Area in the Municipality of Diamantina-MG

Lidia Santos; Marcio Oliveira; Gilciano Nogueira; Israel Pereira; Michele Silva

Downloads: 2
Views: 142

Resumo

O objetivo deste estudo foi determinar a idade relativa e o tempo de passagem dos indivíduos de Eremanthus incanus presente em uma área em recuperação, com avaliações periódicas ao longo de 4 anos. Os dados utilizados foram coletados na cidade de Diamantina, MG, por meio de inventários florestais contínuos em uma área de aproximadamente 2,15 hectares, totalizando 9 inventários florestais, os quais foram agrupados em classe de diâmetro de 3 e 5 cm. Foram testados três modelos para estimar o incremento periódico médio mensal em diâmetro por centro de classe diamétrica. Através da melhor equação foram calculados a idade relativa e o tempo de passagem. Todos os três modelos ajustados foram melhores com a amplitude de classe de 3 cm. A idade relativa e o tempo de passagem para os indivíduos de E. incanus alcançarem a menor classe de diâmetro foram de 4 e 2 anos, respectivamente.

Palavras-chave

incremento periódico, manejo florestal, centro de classe diamétrica

Abstract

This study aimed to determine the relative age and the passage time of Eremanthus incanus individuals present in a recovery area, with periodic evaluations over four years. Data were collected in the city of Diamantina-MG, through continuous forest inventories in an area of 2.0 hectares, totaling nine forest inventories, which were grouped in 3 to 5 cm diameter classes. Three models were tested to estimate the monthly diameter average periodic increment by diameter class center. Relative age and passage time were calculated based in the best equation. All three adjusted models were better with the 3 cm class range. The relative age and the passage time for E. incanus individuals to achieve the smallest class size was 4 and 2 years, respectively.

Keywords

periodic increment, forest management, diameter class center

References

Akaike H. A new look at the statistical model identification. IEEE Transactions on automatic control 1974, 19(6): 716-723.

Araújo EJG, David HC, Morais VA, Scolforo JRS, Péllico S No, Zanette VH et al. Crescimento em diâmetro e altura da regeneração natural de Eremanthus incanus.Floresta 2014; 44(2): 217-228. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v44i2.31362.

Araújo PA, Souza AL, Campos JCC, Paula F No. Idade relativa como subsídio à determinação de ciclo de corte no manejo sustentável de povoamentos florestais nativos. Revista Árvore 1993; 17(1): 100-116.

Avery TE, Burkhart HE. Forest measurements. 5th ed. New York: McGraw-Hill Higher Education; 2002.

Batista JLF, Couto HTZ, Marquesini M. Desempenho de modelos de relações hipsométricas: estudo em três tipos de floresta. Scientia Forestalis 2001; 60: 149-163.

Caballero JD, Malleux JO. Estudio de una metodologia para la determinación de edades en bosques naturales. Revista Floresta del Perú 1976; 5(1-2): 33-40.

Condit R, Hubbell SP, Foster RB. Identifying fast-growing native trees from the neotropics using data from a large, permanent census plot. Forest Ecology and Management 1993; 62(1-4): 123-143. http://dx.doi.org/10.1016/0378-1127(93)90046-P.

Del Valle JI. La ecuacion de crecimiento de Von Bertalanffy en la determinacion de la edad y el crecimiento de arboles tropicales. Revista Facultad Nacional de Agronomia 1986; 39(1): 61-74.

Ebling A, Watzlawick LF, Rodrigues AL, Longhi SJ, Longhi RV, Abrão SF. Acuracidade da distribuição diamétrica entre métodos de projeção em Floresta Ombrófila Mista. Ciência Rural 2012; 42(6): 1020-1026. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782012000600011.

Ferreira GWD, Ferraz AC Fo, Pinto ALR, Scolforo JRS. Influência do desbaste na forma do fuste de povoamentos naturais de (Less.) Less. Eremanthus incanusCiências Agrárias 2014; 35(4): 1707-1720.

Husch B, Beers TW, Kershaw JA Jr. Forest mensuration. 4th ed. New Jersey: John Wiley and Sons; 2003.

Imaña Encinas J, Silva GF, Pinto JRR. Idade e crescimento das árvores. Comunicações Técnicas Florestais 2005; 7(1): 3-19.

Machado VM, Santos JB, Pereira IM, Cabral CM, Lara RO, Amaral CS. Controle químico e mecânico de plantas daninhas em áreas em recuperação. Revista Brasileira de Herbicidas 2012; 11(2): 139-147. http://dx.doi.org/10.7824/rbh.v11i2.153.

Neves SC, Abreu PAA, Fraga LMS. Fisiografia. In: Silva AC, Pedreira LCVSF, Abreu PAA. Serra do espinhaço meridional, paisagens e ambientes. Belo Horizonte: O Lutador; 2005.

Pérez JFM, Scolforo JRS, Oliveira AD, Mello JM, Borges LFR, Camolesi JF. Sistema de manejo para a candeia - (DC.) MacLeish: a opção do sistema de corte seletivo. Eremanthus erythropappusCerne 2004; 10(2): 257-273.

R Development Core Team. R: a language and environment for statistical computing [online]. Vienna: R Foundation for Statistical Computing; 2013 [citado em 2016 abr 20]. Disponível em: http://www.R-project.org/

Scolforo JRS, Oliveira AD, Davide AC. Manejo Sustentável da Candeia: o caminhar de uma nova experiência florestal em Minas Gerais. Lavras: UFLA; 2012.

Scolforo JRS, Pulz FA, Mello JM, Oliveira AT Fo. Modelo de produção para floresta nativa como base para manejo sustentado. Cerne 1996; 2(1): 112-137.

Silva LA, Souza AL, Jesus RM. Ciclo de corte de uma floresta natural secundária por meio da metodologia do tempo de passagem por classes diamétricas sucessivas. Revista Árvore 1999; 23(3): 293-299.

Souza AL, Araújo PA, Campos JCC, Paula F No. Dinâmica de crescimento em diâmetro de uma floresta primária sem interferência: Uma análise pelo tempo de passagem entre classes diamétricas. Revista Árvore 1993; 17(2): 129-145.
 

58dd15830e8825715958baeb floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections