Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.024315
Floresta e Ambiente
Original Article Silviculture

Biomassa, Carbono e Nitrogênio na Serapilheira Acumulada de Florestas Plantadas e Nativa

Biomass, Carbon and Nitrogen in the Accumulated Litter of Planted and Native Forests

Verilma Barbosa; Patrícia Barreto-Garcia; Emanuela Gama-Rodrigues; Alessandro de Paula

Downloads: 0
Views: 112

Resumo

RESUMO: O objetivo deste trabalho foi avaliar os estoques de biomassa, carbono e nitrogênio da serapilheira acumulada em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Montana e dois plantios florestais puros (um de Pterogyne nitens e outro de Eucalyptus urophylla), no sudoeste da Bahia. As amostragens da serapilheira foram realizadas nos períodos chuvoso e seco. A biomassa da serapilheira acumulada foi superior no povoamento de eucalipto (13,1 Mg.ha–1) e inferior no povoamento de P. nitens (1,5 Mg.ha–1), atingindo valores intermediários na floresta nativa (6,3 Mg.ha–1). Essa mesma sequência foi verificada para os estoques de carbono: 5,6 Mg.ha–1 (eucalipto), 2,7 Mg.ha–1 (floresta nativa) e 0,6 Mg.ha–1 (P. nitens). O povoamento P. nitens apresentou teores de N da serapilheira foliar compatíveis aos da floresta nativa. As maiores diferenças de biomassa, carbono e nitrogênio da serapilheira acumulada entre as estações chuvosa e seca foram verificadas nos povoamentos puros.

Palavras-chave

floresta estacional, Pterogyne nitens, eucalipto

Abstract

ABSTRACT: This study aimed to evaluate the biomass, carbon and nitrogen stocks in accumulated litter in a Semidecidual Seasonal Forest fragment and two pure forest plantations (Pterogyne nitens and Eucalyptus urophylla), located in the Southwest of Bahia. Litter samplings were carried out in the rainy and dry season. The biomass from accumulated litter was higher in eucalyptus stand (13.1 Mg ha–1) and lower in the Pterogyne nitens (1.5 Mg ha–1), reaching intermediate values in the native forest (6.3 Mg ha1). This same sequence was checked for carbon stocks: 5.6 Mg ha–1 (eucalypt) 2.7 Mg ha–1 (native forest) and 0.6 Mg ha–1 (P. nitens). The P. nitens stand has N content of leaf’s litter compatible to the native forest. The greatest differences in biomass, carbon and nitrogen of accumulated litter between the rainy and dry seasons were found in pure stands.
 

Keywords

seasonal forest, Pterogyne nitens, eucalypt

References

Adams MA, Atiwill PM. Nutrient cycling an nitrogen mineralization in eucalypt forests south-easthern Australia. I- Nutrient cycling and nitrogen turnover. Plant and Soil 1986; 92: 319-339. http://dx.doi.org/10.1007/BF02372482.

Anderson JD, Ingram JSI. Tropical soil biology and fertility: a handbook of methods. 2nd ed. Wallingford: CAB International; 1996.

Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas – ABRAF. Anuário estatístico da ABRAF 2011 ano base 2010. Brasília: ABRAF; 2011 [citado em 2013 jul. 05]. 130 p. Disponível em: http://www.abraflor.org.br/estatisticas/ABRAF11/ABRAF11-EN.pdf.

Attiwill PM, Guthrie HB, Leuning R. Nutrient cycling in a E. obliqua (L’Hérit) forest. I - Litter production and nutrient return. Australian Journal of Botany 1978; 26(1): 79-91. http://dx.doi.org/10.1071/BT9780079.

Barreto PAB, Gama-Rodrigues EF, Gama-Rodrigues AC, Barros NF, Fonseca S. Atividade, carbono e nitrogênio da biomassa microbiana em plantações de eucalipto, em uma seqüência de idades. Revista Brasileira de Ciência do Solo 2008; 32: 611-619.

Bataglia OC, Furlani AMC, Teixeira JPF, Furlani PR, Gallo JR. Métodos de análise química de plantas. Campinas: Instituto Agronômico; 1983. 48 p. Boletim Técnico, 78.

Borém RAT, Ramos DP. Variação estacional e topográfica de nutrientes na serapilheira de um fragmento de mata atlântica. Cerne 2002; 8(2): 42-59.

Constantinides M, Fownes JH. Nitrogen mineralization from leaves and litter of tropical plants: relationship to nitrogen, lignin and soluble polyphenol concentrations. Soil Biology & Biochemistry 1994; 26(1): 49-55. http://dx.doi.org/10.1016/0038-0717(94)90194-5.

Costa CCA, Camacho RGV, Macedo ID, Silva PCM. Análise comparativa da produção de serapilheira em fragmentos arbóreos e arbustivos em área de caatinga na FLONA de Açu-RN. Revista Árvore 2010; 34(2): 259-265.

Costa GS, Gama-Rodrigues AC, Cunha GM. Decomposição e liberação de nutrientes da serapilheira foliar em povoamentos de Eucalyptus grandis no Norte Fluminense. Revista Árvore 2005; 29(4): 563-570.

Cunha FV No, Leles PSS, Pereira MG, Bellumath VGH, Alonso JM. Acúmulo e decomposição da serapilheira em quatro formações florestais. Revista Ciência Florestal 2013; 23(3): 379-387.

Delitti WBC. Estudos de ciclagem de nutrientes: instrumentos para análise funcional de ecossistemas terrestres. Oecologia Brasiliensis: 1995; 1: 469-486.

Dias HCT, Oliveira AT. Variação temporal e espacial da produção de serrapilheira em uma área de Floresta Estacional Semidecídua Montana em Lavras-MG. Revista Árvore 1997; 21: 11-26.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Classificação de Solos. Manual de métodos de análise de solo. Rio de Janeiro: Embrapa-SNLCS; 1979. 255 p

Fonseca S, Barros NF, Novais RF, Costa LM, Leal PGL, Neves JCL. Alterações em um latossolo sob eucalipto, mata natural e pastagem. I. Propriedades físicas e químicas. Revista Árvore 1993; 17(3): 271-288.

Fraga MP, Barreto PAB, Paula A. Estimação de volume de Pterogyne nitens em plantio puro no sudoeste da Bahia. Pesquisa Florestal Brasileira 2014; 34(79): 207-215. http://dx.doi.org/10.4336/2014.pfb.34.79.703.

Froufe LCM. Decomposição de serrapilheira e aporte de nutrientes em plantios puros e consorciados de Eucalyptus grandis Maiden, Pseudosamanea guachapele Dugand e Acacia mangium Wild [dissertação]. Seropédica: Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 1999.

Gama-Rodrigues AC, Barros NF, Mendonça ES. Alterações edáficas sob plantios puros e misto de espécies florestais no Sudeste da Bahia. Revista Brasileira de Ciência do Solo 1999; 23: 581-592.

Gama-Rodrigues AC, Barros NF. Ciclagem denutrientes em floresta natural e em plantios de eucalipto e de dandá no sudeste da Bahia, Brasil. Revista Árvore 2002; 26(2): 193-207.

Godinho TO, Caldeira MVW, Rocha JHT, Caliman JP, Trazzi PA. Quantificação de biomassa e nutrientes na serapilheira acumulada em trecho de Floresta Estacional Semidecidual Submontana, ES. Cerne 2014; 20(1): 11-20.

Haag HP. Ciclagem de nutriente em florestas tropicais. Campinas: Fundação Cargill; 1985. 114 p.

Indústria Brasileira de produtores de Árvores – IBÁ. Relatório IBÁ 2015: ano base 2014. Brasília; 2015. 64 p.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro; 2012. 271 p.

Kolm L, Pogiane F. Ciclagem de nutrientes em povoamentos de submetidos à prática de desbastes progressivos. Eucalyptus grandisScientia Forestalis 2003; 63: 79-93.

Lamprecht H. Silvicultura nos trópicos: ecossistemas florestais e respectivas espécies arbóreas: possibilidades e métodos de aproveitamento sustentado. Eschborn Deutsche Gesellschaft für Technische Zusammenarbeit Rossdorf; 1990. 343 p.

Lima SS, Leite LFC, Aquino AM, Oliveira FC, Castro AJF. Serapilheira e teores de nutrientes em argilossolo sob diferentes manejos no Norte do Piauí. Revista Árvore 2010; 34(1): 75-84.

Lorenzi H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Editora Plantarum; 1992. 368 p.

Luizão FJ. Litter production and mineral element input to the forest floor in a central Amazonian forest. GeoJournal 1989; 19(4): 407-417. http://dx.doi.org/10.1007/BF00176910.

Meguro M, Vinueza GN, Delitti WBC. Ciclagem de nutrientes minerais na mata mesófila secundária - São Paulo. I - Produção e conteúdo de nutrientes minerais no folhedo. Boletim de Botânica, São Paulo 1979; 7(0): 11-31. http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v7i0p11-31.

Melillo JM, Aber JD, Muratore JF. Nitrogen and lignin control of hardwood leaf litter decomposition dynamics. Ecology 1982; 63(3): 621-626. http://dx.doi.org/10.2307/1936780.

O’Connell AM, Grove TS, Dimmock GM. Nutrients in the litter on Jarrah forest soils. Australian Journal of Ecology, Collingwood 1978; 3(3): 253-260. http://dx.doi.org/10.1111/j.1442-9993.1978.tb01175.x.

O’Connell AM, Sankaran KV. Organic matter accretion, decomposition and mineralisation. In: Nambiar EKS, Brown AG, editors, Management of soil, nutrients and water in tropical plantations forests. Canberra: ACIAR; 1997.

Santana JAS, Vilar FCR, Souto PC, Andrade LA. Acúmulo de serapilheira em plantios puros e em fragmento de mata atlântica na Floresta Nacional de Nísia - Floresta RN. Caatinga 2009; 22(3): 59-66.

Santos AP No, Barreto PAB, Gama-Rodrigues EF, Novaes AB, Paula A. Produção de serapilheira em Floresta Estacional Semidecidual e em plantios de Tul. e . Pterogyne nitensEucalyptus urophylla S. T. Blake no Sudoeste da BahiaCiência Florestal 2015; 25(3): 631-641. http://dx.doi.org/10.5902/1980509819614.

Santos HG, Jacomine PKT, Anjos LHC, Oliveira VA, Oliveira JB, Coelho MR et al. Sistema brasileiro de classificação de solos. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2006.

Santos MJC, Nascimento AVS, Mauro RA. Germinação do amendoim bravo (Pterogyne nitens Tul) para utilização na recuperação de áreas degradadas. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 2008; 3(1): 31-34. http://dx.doi.org/10.5039/agraria.v3i1a182.

Schumacher MV, Brun EJ, Rodrigues LM, Santos EM. Retorno de nutrientes via deposição de serapilheira em um povoamento de acácia-negra (Acacia mearnsii De Wild.) no Estado do Rio Grande do Sul. Revista Árvore 2003; 27(6): 791-798.

Serviço Florestal Brasileiro – SFB. Produção florestal. Brasília: 2013. [citado em 2013 jul. 05]. Disponível em: http://www.florestal.gov.br/snif/producao-florestal/cadeia-produtiva.

Silva CJ, Lobo FA, Bleich ME, Sanches L. Produção de serrapilheira no Cerrado e na floresta de transição Amazônia-Cerrado do Centro Oeste brasileiro. Acta Amazonica, Manaus 2007; 37(4): 543-548. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672007000400009.

Silva CJ, Lobo FA, Bleich ME, Sanches L. Contribuição de folhas na formação da serapilheira e no retorno de nutrientes em floresta de transição no Norte de mato Grosso. Acta Amazonica, Manaus 2009; 39(3): 591-600. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672009000300014.

Soares AO Fo. Fitogeografia e estrutura das florestas estacionais deciduais no Brasil [tese]. Feira de Santana: Universidade Estadual de Feira de Santana; 2012.

Swift MJ, Heal OW, Anderson JM. Decomposition in terrestrial ecosystems. Oxford: Blackwell; 1979. 372 p.

Tian G, Kang BT, Brussaard L. Biological effects of plant residues with contrasting chemical compositions under humid tropical conditions- decomposition and nutrient release. Soil Biology & Biochemistry 1992; 24(10): 1051-1060. http://dx.doi.org/10.1016/0038-0717(92)90035-V.

Tonini H, Arco-Verde MF, Sá SPP. Dendrometria de espécies nativas em plantios homogêneos no Estado de Roraima - Andiroba (Carapa guianensis Aubl), Castanha-do-Brasil (Bertholletia excelsa Bonpl.), Ipê-roxo ( Lorentz ex Griseb) e Jatobá ( L.). Tabebuia avellanedaeHymenaea courbarilActa Amazonica, Manaus 2005; 35(3): 353-362.

Veloso HP, Rangel-Filho ALR, Lima JCA. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: IBGE; 1991. 124 p.

Vital ART, Guerrini IA, Franken WK, Fonseca RCB. Produção de serapilheira e ciclagem de nutrientes de uma floresta Estacional Semidecidual em Zona Ripária. Revista Árvore 2004; 28(6): 793-800.
 

58ff56ca0e8825a366abdcf4 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections