Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.023715
Floresta e Ambiente
Original Article Forest Management

Equações Volumétricas e Fator de Forma e de Casca para Florestas Secundárias do Litoral de Santa Catarina

Volume Equations and Form and Bark Factors for Coastal Secondary Forests of Santa Catarina State

Jean Correia; Alfredo Fantini; Geferson Piazza

Downloads: 0
Views: 118

Resumo

RESUMO: As florestas secundárias, predominantes em Santa Catarina, apresentam alto potencial para produção sustentável de madeira, entretanto faltam informações para estimar sua produtividade. Este estudo teve o objetivo de gerar equações de volumes de fuste e total (incluindo galhos), além dos fatores de forma e de casca, para florestas secundárias da Floresta Ombrófila Densa do Estado. Foram cubadas 187 árvores pelo método de Smalian e testados seis modelos volumétricos, utilizando-se análise de regressão, todos com resultados satisfatórios, destacando-se o de Schumacher-Hall (linearizado). As equações recomendadas para estimar o volume total com e sem casca são, respectivamente, ln(vt) = - 10,045586 + 2,349493*ln(dap) + 0,640598*ln(ht) e ln(vt) = - 10,206982 + 2,348857*ln(dap) + 0,634736*ln(ht), e para os volumes do fuste com e sem casca, respectivamente, ln(vf) = - 9,285656 + 2,100113*ln(dap) + 0,665269*ln(hf) e ln(vf) = - 9,504432+ 2,140098*ln(dap) + 0,637631*ln(hf). O fator de forma normal estimado é 0,8027, enquanto o fator de casca é 0,9301.

Palavras-chave

volumetria, Mata Atlântica, dendrometria e inventário florestal

Abstract

ABSTRACT: Secondary forests prevalent is Santa Catarina State present high potential for sustainable production of timber. However, we lack information to estimate their productivity. This study aimed at generating equations to estimate the stem volume and total volume (including branches), in addition to the form and bark factors, for secondary forests of the Atlantic rainforest in the State. We scaled 187 trees by Smalian method and tested six volumetric models through regression analysis, all with satisfactory results, notably the Schumacher-hall (linearized). The recommended equations to estimate the total volume with and without bark are, respectively, ln(vt) = -10.045586 + 2.349493*ln(dap) + 0.640598*ln(ht) and ln(vt) = -10.206982 + 2.348857*ln(dap) + 0.634736*ln(ht), and to estimate the stem volume with and without bark, respectively, ln(vf) = -9.285656 + 2.100113*ln(dap) + 0.665269*ln(hf) and ln(vf) = -9,504432 + 2.140098*ln(dap) + 0.637631*ln(hf). The estimated form factor is 0.8027, while the bark factor is 0.9301.
 

Keywords

volume modeling, Atlantic forest, dendrometry and forest inventory

References

Barrance A, Schreckenberg K, Gordon J. Conservation through use: lessons from the mesoamerican dry forest. London: Overseas Development Institute; 2009.

Bartoszeck A. Evolução da distribuição diamétrica e da relação hipsométrica em função dos fatores idade, sítio e densidade inicial em bracatingais da região metropolitana de Curitiba [dissertação]. Curitiba: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná; 2000.

Borsoi, GA. Subsídios para o manejo de uma floresta ombrófila mista em estágio avançado de regeneração natural [tese]. Santa Maria: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria; 2005.

Carvalho SDPC. Estimativa volumétrica por modelo misto e tecnologia laser aerotransportado em plantios clonais de Eucalyptus sp. [tese]. Piracicaba: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade de São Paulo; 2013.

Chichorro JF, Resende JLP, Leite HG. Equações de volume e de taper para quantificar multiprodutos da madeira em floresta atlântica. Revista Árvore. 2003; 27(6): 799-809. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622003000600006.

Correia J. Modelos volumétricos para florestas secundárias do litoral de Santa Catarina [dissertação]. Florianópolis: Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina; 2015.

Dean W. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras; 1996.

Durlo MA, Denardi L. Morfometria de Cabralea canjerana, em mata secundaria nativa do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal 2009; 8(1): 55-66.

Fantini AC, Siminski A. Espécies madeireiras nativas da Região Sul do Brasil. In: Coradin L, Siminski A, Reis A. Espécies nativas da flora brasileira de valor econômico atual ou potencial: plantas para o futuro – Região Sul. Brasília: MMA; 2011.

Finger CAG. Medição de árvores: fundamentos de biometria florestal. Santa Maria: UFSM/CEPEF/FATEC; 1992.

Fundação SOS Mata Atlântica. Atlas dos remanescentes florestais da Mata Atlântica: período 2011-2012. São Paulo; 2013.

Husch B, Miller CI, Beers TW. Forest mensuration. Florida: Krieger Publishing Company; 1982.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Manual técnico da vegetação brasileira. Brasília; 2012.

Jorge LAB. Equações de volume comercial com casca em floresta tropical pluvial no norte do Espírito Santo. In: Anais do Congresso Brasileiro sobre Essências Nativas; 1982, Campos do Jordão. São Paulo: Instituto Florestal; 1982. p. 456.

Klein RM. Mapa fitogeográfico do Estado de Santa Catarina. In: Reitz R, editor. Flora ilustrada catarinense. Itajaí: Herbário Barbosa Rodrigues; 1978.

Neter J, Wasserman W, Kutner MH. Applied linear statistical models. Chicago: Irwin; 1996.

Nunes MH. Stem profile modeling in Cerrado and tropical forests formations in Brazil [dissertação]. Piracicaba: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade de São Paulo; 2013.

Oller DC. Ecologia e manejo de florestas secundárias dominadas por Tibouchina pulchra Cogn [dissertação]. Florianópolis: Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal de Santa Catarina; 2011.

Redford KH, Richter BD. Conservation of biodiversity in a world of use. Conservation Biology 1999; 13(6): 1246-1256. http://dx.doi.org/10.1046/j.1523-1739.1999.97463.x.

Reflora. Flora do Brasil 2020. Rio de Janeiro; 2015 [citado em 2015 jan. 15]. Avaliable from: http://floradobrasil.jbrj.gov.br/.

Santos K, Sanquetta CR, Eisfield RDL, Watzlawick LF, Ziliotto MAB. Equações volumétricas por classe diamérica para algumas espécies folhosas da Floresta Ombrófila Mista no Paraná, Brasil. RECEN-Revista Ciências Exatas e Naturais. 2009; 8(1): 99-112.

Schneider PR, Schneider P, Souza CD. Análise de regressão aplicada à Engenharia Florestal. Santa Maria: UFSM/CEPEF; 2009.

Schuch C, Siminski A, Fantini AC. usos e potencial madeireiro do jacatirão-açu (Miconia cinnamomifolia (de candolle) naudin) no litoral de Santa Catarina. Floresta. 2008; 38(4): 735-741. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v38i4.13169.

Schwarz G. Estimating the dimension of a model. Annals of Statistics 1978; 6(2): 461-464. http://dx.doi.org/10.1214/aos/1176344136.

Scolforo J, Mello JD, Lima CDA. Obtenção de relações quantitativas para estimativa de volume do fuste em floresta estacional semidecídua montana. Revista Cerne. 1994; 1(1): 123-134.

Silva JAA, Paula F No. Princípios básicos de dendrometria. Recife: UFRPE; 1979.

Silveira P. Métodos indiretos de estimativa do conteúdo de biomassa e do estoque de carbono em um fragmento de floresta ombrófila densa [tese]. Curitiba: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná; 2008.

Siminski A, Fantini AC. A Mata Atlântica cede lugar a outros usos da terra em Santa Catarina, Brasil. Biotemas. 2010; 23(2): 51-59.

Siminski A, Fantini AC, Guries RP, Ruschel A, Reis MS. Secondary forest succession in the Mata Atlantica, Brazil: floristic and phytosociologic trends. ISRN Ecology. 2011a;2011: 1-19.

Siminski A, Santos KLD, Fantini AC, Reis MS. Recursos florestais nativos e a agricultura familiar em Santa Catarina–Brasil. Bonplandia. 2011b; 20(2): 371-389.

Siminski A, Mantovani M, Reis MS, Fantini AC. Sucessão florestal secundária no município de São Pedro de Alcântara, litoral de Santa Catarina: estrutura e diversidade. Ciência Florestal 2004; 14(1): 21-33.

Soares CPB, Paula F No, Souza AL. Dendrometria e inventário florestal. Viçosa: UFV; 2011.

Souza A, Jesus R. Equações de volume comercial e fator de forma para espécies da Mata Atlântica ocorrentes na reserva florestal da Companhia Vale do Rio Doce, Linhares, ES. Revista Árvore. 1991;15(3):257-73.

Urbano E. Quantificação e estimativa aérea da biomassa e do carbono fixado em árvores de bracatingais nativos da região metropolitana de Curitiba [dissertação]. Curitiba: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná; 2007.

Vibrans AC, Mcroberts RE, Lingner DV, Nicoletti AL, Moser P. Extensão original e atual da cobertura florestal de Santa Catarina. In: Vibrans AC, Sevegnani L, Gasper AL, Lingner DV. Inventário florístico florestal de Santa Catarina: diversidade e conservação dos remanescentes florestais. Blumenau: Edifurb; 2012a.

Vibrans AC, Moser P, Maçaneiro JP, Lingner DV, Kruger A, Silva LS. Equações hipsométricas, volumétricas e de peso seco para a Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina. In: Vibrans AC, Sevegnani L, Gasper AL, Lingner DV. Inventário florístico florestal de Santa Catarina: Floresta Ombrófila Densa. Blumenau: Edifurb; 2012b.

Vismara EDS. Mensuração da biomassa e construção de modelos para construção de equações de biomassa [dissertação]. Piracicaba: Departamento de Engenharia Florestal, Universidade de São Paulo; 2009.
 

58ff52410e8825246babdcf6 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections