Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.011615
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Efetividade da Compensação Ambiental Monetária no Brasil

Effectiveness of Monetary Environmental Compensation in Brazil

Almeida, Alexandre Nascimento de; Xavier, Emily Mendes; Couto Junior, Antônio Felipe; Vieira, Ludgero Cardoso Galli

Downloads: 0
Views: 121

Resumo

No Brasil, a compensação ambiental monetária ocorre em situações em que um impacto ambiental de um projeto não pode ser evitado e nem mitigado, restando ao empreendedor a obrigatoriedade de apoiar a implantação e manutenção de Unidade de Conservação (UC). Os critérios para a escolha da área a ser beneficiada estão relacionados à sua conexão espacial ou funcional com a área impactada. O objetivo deste estudo foi avaliar a efetividade da compensação ambiental monetária, avaliando a conexão espacial e funcional na aplicação dos recursos desse instrumento. Para tanto, compararam-se os recursos gerados da compensação ambiental a serem aplicados no município de ocorrência do empreendimento, bem como verificou-se se as áreas afetadas e beneficiadas pertenciam ao mesmo bioma. Os resultados indicaram que a compensação ambiental monetária não costuma ocorrer no mesmo município do empreendimento. Porém, em 96% dos casos, ela tende a ocorrer no mesmo bioma.

Palavras-chave

avaliação de impacto ambiental, compensação ambiental monetária, gestão ambiental, Unidade de Conservação.

Abstract

In Brazil, monetary environmental compensation occurs in situations in which a project environmental impact cannot be avoided or mitigated, resting to the entrepreneur an obligation to support the implementation and maintenance of a Protected Area. The criteria for choosing the area to be benefited are related to spatial and functional connection with the same. This study aimed to evaluate the effectiveness of monetary environmental compensation, evaluating the spatial and functional connection in the application of the instrument resources. Under these circumstances we assessed if resources generated from environmental compensation tend to be applied in the project site, as well as, if the affected areas benefited belong to the same biome. Results indicated that monetary environmental compensation does not usually occur in the project nearby area; however, in 96% of cases it tends to occur in the same biome.

Keywords

environmental impact assessment, monetary environmental compensation, environmental management, Conservation Unit.

References

Barbieri JC. Gestão ambiental empresarial. 2. ed. São Paulo: Saraiva; 2007.

Bechara E. Uma contribuição ao aprimoramento do Instituto da Compensação Ambiental previsto na Lei 9.985/2000. São Paulo; 2007.

Bezerra EGL. Biodiversity offsets in national (Brazil) and regional (EU) manda-tory arrangements: towards an international regime? Washington, D.C.: BBOP; 2007 [citado em 2014 nov 5]. Disponível em: http://bbop.forest-trends.org/documents.

Brasil. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF (1981 set.).

Brasil. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e Vll da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF (2000 jul.).

Brasil. Resolução CONAMA nº 371, de 5 de abril de 2006. Estabelece diretrizes aos órgãos ambientais para o cálculo, cobrança, aplicação, aprovação e controle de gastos de recursos advindos de compensação ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF (2006 abr.).

Cole SG. Equity over efficiency: a problem of credibility in scaling resource-based compensatory? Journal of Environmental Economics and Policy 2013; 2(1): 93-117. http://dx.doi.org/10.1080/21606544.2013.764616.

Cowell R. Stretching the limits: environmental compensation, habitat creation and sustainable development. Transactions of the Institute of British 1997; 22(3): 297-306.

Darbi M, Ohlenburg H, Herberg A, Wende W, Skambracks D, Herbert M. International approaches to compensation for impacts on biological diversity: final report. Dresden: Leibniz Institute of Ecological and Regional Development; 2009.

Domingues JM, Carneiro ASJ. A compensação ambiental prevista pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC): a ADI Nº 3.378 e o Decreto n° 6.848/09. Revista Direito FGV 2010; 493-502.

Dunford RW, Ginn TC, Desvousges WH. The use of habitat equivalency analysis in natural resource damage assessments. Ecological Economics 2004; 48(1): 49-70. http://dx.doi.org/10.1016/j.ecolecon.2003.07.011.

Faria ID. Compensação Ambiental: os fundamentos e as normas, a gestão e os conflitos. Brasília: Consultoria Legislativa do Senado Federal; 2008. Texto para discussão 43.

Flores NE, Thacher J. Money, who needs it? Natural resource damage assessment. Contemporary Economic Policy 2002; 20(2): 171-178. http://dx.doi.org/10.1093/cep/20.2.171.

Gastineau P, Taugourdeau E. Compensating for environmental damages. Ecological Economics 2014; 97: 150-161. http://dx.doi.org/10.1016/j.ecolecon.2013.11.008.

Gurgel H, Hargrave J, França F, Holmes RM, Ricarte FM, Dias BFS et al. Unidades de conservação e o falso dilema entre conservação e desenvolvimento. Boletim Regional. Urbano e Ambiental 2009; 3: 109-120.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Cidades. Rio de Janeiro; 2014 [citado em 2014 set 17]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA. Licenciamento ambiental. Brasília; 2014 [citado em 2014 ago 25]. Disponível em: http://www.ibama.gov.br.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBIO. Unidades de conservação. Brasília; 2014 [citado em 2014 ago 11]. Disponível em: http://www.icmbio.gov.br.

Leite FAS. Desafios e perspectivas da compensação ambiental para a criação e manutenção de unidades de conservação [dissertação]. Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2015.

Leoneti AB, Prado EL, Oliveira SVWB. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista Administração Pública 2011; 45(2): 331-348. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122011000200003.

Martin-Ortega J, Brouwer R, Aiking H. Application of a value based equivalency method to assess environmental damage compensation under the European Environmental Liability Directive. Journal of Environmental Management 2011; 92(6): 1461-1470.

Mckenney BA, Kiesecker JM. Policy development for biodiversity offsets: a review of offset frameworks. Environmental Management 2010; 45(1): 165-176. PMid:19924472. http://dx.doi.org/10.1007/s00267-009-9396-3.

Medeiros R, Young CEF. Contribuição das unidades de conservação brasileiras para a economia nacional: relatório final. Brasília: UNEP‐WCMC; 2011.

Ministério Público da União – MPU. Deficiências em estudos de impacto ambiental: síntese de uma experiência. Brasília: Escola Superior do Ministério Público; 2004.

Pestana MH, Gageiro JN. Análise de dados para ciências sociais: a complementariedade do SPSS. Lisboa: Edições Silabo; 2005.

Quétier F, Regnery B, Levrel H. No net loss of biodiversity or paper offsets? A critical review of the French no net loss policy. Environmental Science & Policy 2014; 38: 120-131. http://dx.doi.org/10.1016/j.envsci.2013.11.009.

Ribeiro MC, Metzger JP, Martensen AC, Ponzoni FJ, Hirota MM. The Brazilian Atlantic Forest: how much is left, and how is the remaining forest distributed: Implications for conservation. Biological Conservation 2009; 142(6): 1141-1153. http://dx.doi.org/10.1016/j.biocon.2009.02.021.

Rundcrantz K. Environmental compensation in Swedish road planning. European Environment 2006; 16(6): 350-367. http://dx.doi.org/10.1002/eet.429.

Sánchez LE. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos; 2008.

Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência – SBPC, Academia Brasileira de Ciências – ABC. O código Florestal e a Ciência: contribuições para o diálogo. 2. ed. São Paulo: SBPC/ABC; 2012.

Suvantola L. Enviromental offset arrangements in biodiversity conservation: new instruments for the protection of biodiversity and biosafety Helsinki. Finland: Nordic Environmental Law Network Workshop; 2005.

Ten Kate K, Bishop J, Bayon R. Biodiversity offset: views experience and the bussines case. Gland: IUCN; 2004.

Ter Mors E, Terwel BW, Daamen DDL. The potential of host community compensation in facility siting. International Journal of Greenhouse Gas Control 2012; 115: 130-138. http://dx.doi.org/10.1016/j.ijggc.2012.07.002.

The IUCN Red List of Threatened Species – IUCN. Independent report on biodiversity offsets. Cambridge: The Biodiversity Consultancy; 2012.

Villarroya A, Puig J. Ecological compensation and Environmental Impact Assessment in Spain. Environmental Impact Assessment Review 2010; 30(6): 357-362. http://dx.doi.org/10.1016/j.eiar.2009.11.001.

World Database on Protected Areas – WDPA. 2009 [citado em 2014 nov 20]. Disponível em: http://www.wdpa.org/

Xie R, Pang Y, Li Z, Zhang N, Hu F. Eco-compensation in multi-district river networks in North Jiangsu, China. Environmental Management 2013; 51(4): 874-881. PMid:23229829. http://dx.doi.org/10.1007/s00267-012-9992-5.

Zaal MP, Terwel BW, Ter Mors E, Daamen DDL. Monetary compensation can increase public support for the siting of hazardous facilities. Journal of Environmental Psychology 2014; 37: 21-30. http://dx.doi.org/10.1016/j.jenvp.2013.11.002.

Zafonte MC, Hampton S. Exploring welfare implications of resource equivalency analysis in natural resource damage assessments. Ecological Economics 2007; 61(1): 134-145. http://dx.doi.org/10.1016/j.ecolecon.2006.02.009.

5a6b660a0e8825395df53298 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections