Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.008115
Floresta e Ambiente
Original Article Conservation of Nature

Padrões da Regeneração Natural na Região de Mar de Morros, Pinheiral-RJ

Patterns of Natural Regeneration in the Region of “Mar de Morros”, Pinheiral-RJ

Santos, Gilsonley Lopes dos; Pereira, Marcos Gervasio; Delgado, Rafael Coll; Moraes, Luiz Fernando Duarte de

Resumo

A Floresta Atlântica é o ecossistema brasileiro submetido a processos de degradação ambiental mais acentuado, mesmo assim, em alguns ambientes o processo de regeneração natural pode ser observado. O objetivo deste estudo foi avaliar o padrão da regeneração natural dos fragmentos florestais do Médio Vale Paraíba do Sul quanto aos fatores topográficos e identificar áreas potenciais ao processo de regeneração. O mapeamento dos fragmentos florestais foi obtido a partir de imagens do sensor Thematic Mapper (1994 e 2011). Para os fatores topográficos foram utilizadas as cartas topográficas do IBGE. O processo de regeneração natural na área de estudo é influenciado pelos fatores topográficos e acontece principalmente nos ambientes com superfície plana, declividade variando de ondulada a forte ondulada, orientação da vertente variando de SE (sudeste) a SW (sudoeste) e radiação solar global entre 150000 e 1700000 Watts. Na sub-bacia do ribeirão Cachimbal, os ambientes favoráveis à regeneração natural não são suficientes para que a sub-bacia tenha sua cobertura florestal original restabelecida, por representar apenas 1,2% da área da sub-bacia hidrográfica, o que remete à necessidade de intervenção antrópica.

Palavras-chave

Floresta Estacional Semidecidual, resiliência, paisagem.

Abstract

The Atlantic Forest is the brazilian ecosystem that is subjected to stronger environmental degradation processes, yet in some environments the natural regeneration process can be observed. Thus, the aim of this study was to evaluate the pattern of natural regeneration of forest fragments in the “Médio Vale Paraíba do Sul” as the topographic factors and to identify potential areas of regeneration. The mapping of forest fragments were obtained from images of the Thematic Mapper sensor (1994 and 2011). For topographical factors, the IBGE topographic maps were used. The natural regeneration process in the study area is influenced by topographical factors and occurs mainly in environments with a flat surface, steepness ranging from wavy corrugated strong, strand orientation ranging from SE (southeast) SW (southwest) and global solar radiation between 1.500.000 and 1.700.000 Watts. In sub-basin Cachimbal stream, favorable environments natural regeneration are not sufficient for sub-basin has restored its original forest cover, it represents only 1.2% of the watershed area, which refers to the need of human intervention.

Keywords

Semideciduous Forest, resilience, landscape.

References

Allen RG, Tasumi M, Trezza R, Waters R, Bastiaanssen W. Surface energy balance algorithms for land (SEBAL): advance training and users manual. Kimberly: Idaho Implementation; 2002.

Bastiaanssen WGM, Menenti M, Feddes RAAM, Holtslag AAM. A remote sensing surfasse energy balance algorithm for land (SEBAL) 1. Formulation. Journal of Hydrology 1998; 212-213: 198-212. http://dx.doi.org/10.1016/S0022-1694(98)00253-4.

Baylão HF Jr, Valcarcel R, Nettesheim FC. Fatores do meio físico associados ao estabelecimento de espécies rústicas em ecossistemas perturbados na Mata Atlântica, Piraí - RJ, Brasil. Ciência Florestal 2013; 23(3): 305-315.

Bispo PC, Valeriano MM, Kuplich TM. Variáveis geomorfométrica locais e sua relação com a vegetação da região do interflúvio Madeira-Purus (AM-RO). Acta Amazonica 2009; 39(1): 81-90. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672009000100008.

Caldas AJFS. Geoprocessamento e análise ambiental para determinação de corredores de hábitat na Serra da Concórdia, Vale do Paraíba – RJ [dissertação]. Seropédica: Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 2006.

Calegari L, Martins SV, Gleriani JM, Silva E, Busato LC. Análise da dinâmica de fragmentos florestais no município de Carandí, MG, para fins de restauração florestal. Revista Árvore 2010; 34(5): 871-880. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000500012.

Cardoso E, Schiavini I. Relação entre distribuição de espécies arbóreas e topografia em um gradiente florestal na Estação Ecológica do Panga (Uberlândia, MG). Revista Brasileira de Botânica 2002; 25(3): 277-289. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-84042002000300004.

Chander G, Markham B, Helder DL. Summary of current radiometric calibration coefficients for Landsat MSS, TM, ETM+, and EO-1 ALI sensors. Remote Sensing of Environment 2009; 113(5): 893-903. http://dx.doi.org/10.1016/j.rse.2009.01.007.

Diniz, AR. Dinâmica de fragmentos florestais da Mata Atlântica na região do médio vale Paraíba do Sul, Rio de Janeiro [dissertação]. Seropédica: Instituto de Florestas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 2011.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – EMBRAPA. Sistema brasileiro de classificação de solos. Rio de Janeiro: EMBRAPA; 1999.

Fu P, Rich PM. The solar analyst 1.0 manual. Estados Unidos da América: Helios Environmental Modeling Institute (HEMI); 2000.

Fundação SOS Mata Atlântica – SOSMA. Atlas da evolução dos remanescentes florestais e ecossistemas associados no domínio da Mata Atlântica no período 2005-2008. São Paulo: SOS Mata Atlântica/INPE/ISA; 2009.

Gandolfi S. História natural de uma Floresta Estacional Semidecidual no município de Campinas (São Paulo, Brasil) [tese]. Campinas: Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas; 2000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Mapas de bioma e vegetação do Brasil [online]. Rio de Janeiro: IBGE; 2004 [citado em 2012 maio 15]. Disponível em: www.ibge.gov.br/home/presidência/ noticias21052004homes.shtm

Maciel MNM, Watzlawick LF, Schoeninger ER, Yamaji FM. Efeito da radiação solar na dinâmica de uma floresta. Revista Ciências Exatas e Naturais 2002; 4(1): 101-114.

Markham BL, Baker JL. Landsat MSS and TM Post-Calibration Dynamix Ranges, Exoatmospheric Reflectances and At-Satellite Temperatures. Landsat Technical Notes 1987; 1: 3-5.

Marques O, Tienne L, Cortines E, Valcarcel R. Atributos ambientais definidores de presença de fragmentos florestais de Mata Atlântica em microbacias instáveis. EDUR. Revista Universidade Rural Série Ciências da Vida 2005; 24(2): 145-150.

Menezes, CEG. Integridade de paisagem, manejo e atributos do solo no Médio Vale do Paraíba do Sul, Pinheiral-RJ [tese]. Seropédica: Instituto de Agronomia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro; 2008.

Oliveira-Filho AT, Curi N, Vilela EA, Carvalho DA. Tree species distribution along soil catenas in a riverside Semideciduolus Forest in southeastern Brazil. Flora 1997; 192(1): 47-64. http://dx.doi.org/10.1016/S0367-2530(17)30754-5.

Rich PM, Dubayah R, Hetrick WA, Saving SC. Using Viewshed models to calculate intercepted solar radiation: applications in ecology. American Society for Photogrammetry and Remote Sensing Technical Papers 1994; 4: 524-529.

Rosemback R, Ferreira NJ, Shimabukuro YE, Conforte JC. Análise da dinâmica da cobertura vegetal na região sul do Brasil a partir de dados MODIS/terra. Revista Brasileira de Cartografia 2010; 62(2): 401-416.

Rouse JW, Haas RH, Schell JA, Deering DW. Monitoring vegetation systems in the great plains with ERTS. In: Proceedings of the 3rd Earth Resources Technology Satellite-1 Symposium; 1973; Washington. Washington: NASA; 1973. p. 309-317. vol. 1.

Santos AC, Salcedo IH, Candeias ALB. Relação entre o relevo e as classes texturais do solo na microbacia hidrográfica de Vaca Brava, PB. Revista Brasileira de Cartografia 2009; 54: 86-94.

Schmidt J, Evans IS, Brinkmann J. Comparison of polynomial models for land surface curvature calculation. International Journal of Geographical Information Science 2003; 17(8): 797-814. http://dx.doi.org/10.1080/13658810310001596058.

Silva VV, Schumm L, Roig HL, Silveira CS, Ferreira AMM. Uso do geoprocessamento como ferramenta para análise geoecológica: o exemplo da bacia do Paquequer. Niterói: CADMA; 2006.

Silva WG, Metzger JP, Simões S, Simonetti C. Relief influence on the spatial distribution of the Atlantic Forest cover on the Ibiúna Plateau, SP. Brazilian Journal of Biology = Revista Brasileira de Biologia 2007; 67(3): 403-411. PMid:18094822. http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842007000300004.

Silveira CS, Silva VV. Dinâmica de regeneração e desmatamento da vegetação provocadas por fatores climáticos e geomorfológicos: uma análise geoecológica através de SIG. Revista Árvore 2010; 34(6): 1025-1034. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000600008.

Souza AL, Schettino S, Jesus RM, Vale AB. Dinâmica da composição de um Floresta Ombrófila Densa Secundária, após corte de cipós, reserva natural da Companhia Vale do Rio Doce S.A, Estado do Espirito Santo, Brasil. Revista Árvore 2002; 26(5): 549-558. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622002000500004.

Venturoli F, Felfili JM, Fagg CW. Avaliação temporal da regeneração natural em uma Floresta Estacional Semidecídua Secundária, em Pirenópolis, Goiás. Revista Árvore 2011; 35(3): 473-483. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622011000300010.
 

5a7054050e8825b912f8b080 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections