Floresta e Ambiente
http://floram.org/article/doi/10.1590/2179-8087.001216
Floresta e Ambiente
Original Article Forest Management

Projeção da Estrutura Diamétrica de Grupos Ecológicos em uma Floresta Ombrófila Mista

Diametric Distribution Projection of Ecological Groups in a Mixed Tropical Forest

Sebastião Machado; Vinicius Cysneiros; Rodrigo Geroni Nascimento; Ana Martins; Luciane Schmidt

Resumo

RESUMO: O presente estudo teve como objetivo avaliar os aspectos ecológicos e sucessionais de um fragmento de floresta subtropical via projeção da estrutura diamétrica de diferentes grupos ecológicos com uso da Matriz de Transição. Com base em medições de 2009 e 2012 de todas as árvores acima de 10 cm de DAP, foram realizadas projeções da distribuição diamétrica, bem como análise da dinâmica de três agrupamentos de espécies: Pioneiras; Não Pioneiras; e Floresta como um todo. Simulações da dinâmica dos agrupamentos foram feitas até 2027 após validação do método. O método de projeção se mostrou aderente em todos os casos, apresentando maior precisão quando utilizado o intervalo de classe de 5 cm. As análises indicaram tendência de substituição gradual das espécies pioneiras, sugerindo avanço sucessional no fragmento florestal estudado, bem como eficiência do método para análise da dinâmica dos grupos ecológicos estudados.

Palavras-chave

dinâmica florestal, sucessão florestal, cadeia de Markov

Abstract

ABSTRACT: This study aimed to evaluate the ecological and successional aspects of a subtropical forest fragment by projection of the diameter distribution of different ecological groups, using transition matrix model. Based on measurements of 2009 and 2012 of all trees above 10 cm of DBH, projection of the diameter distribution as well as analysis of forest dynamic were made for three species groups: Pioneer; Non Pioneers, and the whole forest. Simulations of the dynamics of the groups were made until 2027 after method validation. The projection method was adherent in all cases, with higher precision when using the 5cm class interval. The analysis made indicated a gradual substitution tendency of the pioneer species, suggesting a successional advance in the forest fragment under study, as well as an efficiency of the projection method for dynamics analysis of the ecological groups studied.
 

Keywords

forest dynamics, forest succession, chain of Markov

References

Alder D. Forest volume estimation and yield prediction. Roma: FAO Forestry Paper; 1980. vol. 2.

Arce JE, Pizatto W, Sanquetta CR, Wendling JLG, Maestri R. Utilização das matrizes de transição na avaliação e simulação precoces do crescimento de povoamentos de L. Pinus taedaFloresta 1997; 27(1): 83-98.

Austregésilo SL, Ferreira RLC, Silva JÁ, Souza AL, Meunier IMJ, Santos ES. Comparação de métodos de prognose da estrutura diamétrica de uma Floresta Estacional Semidecidual secundária. Revista Árvore 2004; 28(2): 227-232. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622004000200009.

Buogiorno J, Michie BC. A matrix model of unever-aged forest management. Forest Science 1980; 26: 609-625.

Canalez GG, Corte APD, Sanquetta CR. Dinâmica da estrutura da comunidade de Lauráceas no período 1995-2004 em uma floresta de araucária no sul do estado do Paraná, Brasil. Ciência Florestal 2006; 16(4): 357-367. http://dx.doi.org/10.5902/198050981917.

Cunha US, Machado AS, Figueiredo A Fo, Sanquetta CR. Predição da estrutura diamétrica de espécies comerciais de terra firme da Amazônia por meio de Matriz de Transição. Ciência Florestal 2002; 12(1): 109-122. http://dx.doi.org/10.5902/198050981705.

Ebling AA, Péllico S No, Watzlawick LF, Miranda ROV, Abrão SF. Ecologia e projeção diamétrica de três grupos arbóreos em remanescente de floresta ombrófila mista em São Francisco de Paula, RS. Floresta 2013; 43(2): 261-270. http://dx.doi.org/10.5380/rf.v43i2.28604.

Ebling AA, Watzlawick LF, Rodrigues AL, Longhi SJ, Longhi RV, Abrão SF. Acuracidade da distribuição diamétrica entre métodos de projeção diamétrica em Floresta Ombrófila Mista. Ciência Rural 2012; 42(6): 1020-1026. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782012000600011.

Enright N, Ogden J. Applications of transition matrix models in forest dynamics: Araucaria in Papua, New Guinea e Nothofagus in New Zealand. Australian Journal of Ecology 1979; 4(4): 3-23. http://dx.doi.org/10.1111/j.1442-9993.1979.tb01195.x.

Gandolfi S, Leitão HF Fo, Bezerra CLE. Levantamento florístico e caráter sucessional das espécies arbustivo arbóreas de uma floresta mesófila semidecídua no município de Guarulhos, SP. Revista Brasileira de Biologia 1995; 55(4): 753-767.

Gentry AH, Terborgh J. Composition and dynamics of the Cosha Cashu mature: floodplain forest. In: Gentry AH. Four neotropical rainforests. New Haven: Yale University Press; 1990.

Guariguata MR, Ostertag R. Neotropical secondary forest succession: changes in structural and functional characteristics. Forest Ecology and Management 2001; 148(1-3): 185-206. http://dx.doi.org/10.1016/S0378-1127(00)00535-1.

Guazzelli MR. Teoria e prática sobre as cadeias de Markov. Ambiente 1993; 7(1): 45-51.

Harper JL. Population biology plants. London: Academic; 1990.

Higuchi N. Short-term growth of a nun disturbed tropical moist forest in the Brazilian Amazon [tese]. Michigan: Michigan State University; 1987.

Johnson PS, Shifley SR, Rogers R. The ecology and silviculture of oaks. New York: CABI Publishing; 2002.

Korning J, Balslev H. Growth and mortality of trees in Amazonian tropical rain forest in Ecuador. Journal of Vegetation Science 1994; 4(1): 77-86. http://dx.doi.org/10.2307/3235641.

Lana MD, Péllico S No, Corte APD, Sanquetta CR, Ebling AA. Prognose da estrutura diamétrica em Floresta Ombrófila Mista. Floresta e Ambiente 2015; 22(1): 71-78. http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.072914.

Machado AS, Zamin NT, Nascimento RGM, Augustynczyk ALD, Menegazzo CS. Comparação dos parâmetros fitossociológicos entre três estratos de um fragmento de floresta ombrófila mista. Cerne 2013; 19(3): 365-372. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602013000300002.

Maciel MNM, Watzlawick LF, Schoeniger ER, Yamaji FM. Classificação ecológica de espécies arbóreas. Acadêmica 2003; 1(2): 69-78.

Meyer EA. Densidade de árvore por diâmetro na Floresta Estacional Decidual no Rio Grande do Sul [dissertação]. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria; 2011.

Nappo ME, Griffith JJ, Martins SV, Marco P Jr, Souza AL, Oliveira AT Fo. Dinâmica da estrutura diamétrica da regeneração natural de espécies arbóreas e arbustivas no sub-bosque de povoamento puro de Mimosa scabrella Bentham, em área minerada, em Poços de Caldas, MG. Revista Árvore 2005; 29(1): 35-46. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622005000100005.

Nascimento RG. Modelagem e prognose da produção de uma floresta tropical úmida de terra firme na Amazônia Central [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2012.

Nascimento RGM, Machado AS, Figueiredo A Fo, Higuchi N. Modelo de projeção por classe diamétrica para florestas nativas: enfoque na função probabilística de Weibull. Pesquisa Florestal Brasileira 2012; 32(70): 209-219.

Nascimento RGM, Silva LCR, Barbeiro LSS, Wojciechowski JC, Péllico S No, Machado SA. Efeito da árvore marginal nos estimadores populacionais obtidos por métodos de amostragem de área variável. Cerne 2015; 21(1): 125-131. http://dx.doi.org/10.1590/01047760201521011266.

Odum EP. The strategy of ecosystem development. Science 1969; 164(3877): 262-270. PMid:5776636. http://dx.doi.org/10.1126/science.164.3877.262.

Orellana E. Sucessão florestal, regimes de manejo e competição avaliados com modelos de árvore individual dependente e independente da distância em um fragmento de Floresta de Araucária no Sul do Brasil [tese]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2014.

Pagano SN, Leitão HP Fo, Cavassan O. Variação temporal da composição florística e estrutura fitossociológica de uma floresta mesófila semidecídua – Rio Claro – Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Biologia 1995; 2: 241-258.

Paula A, Silva AF, Marco P Jr, Santos FAM, Souza AL. Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma Floresta Estacional Semidecidual, Viçosa, MG, Brasil. Acta Botanica Brasílica 2004; 18(3): 407-423. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062004000300002.

Pillar VD. Dinâmica temporal da vegetação [online] Porto Alegre: UFRGS; 1994 [citado em 2016/02/14]. Disponível em http://ecoqua.ecologia.ufrgs.br/arquivos/Reprints&Manuscripts/Manuscripts&Misc/8_Sucessao_94Nov21.pdf.

Piña-Rodrigues FCM, Costa LGS, Reis A. Estratégias de estabelecimento de espécies arbóreas e o manejo de florestas tropicais. In: Anais do 6º Congresso Florestal Brasileiro; 1990; Campos do Jordão. São Paulo: Sociedade Brasileira de Silvicultura; 1990. p. 676- 684.

Quesada M, Sanchez-Azofeife GA, Alvarez-Añorve M, Stoner KE, Avila-Cabadilla L, Calvo-Alvarado J et al. Succession and management of tropical dry forests in the Americas: review and new perspectives. Forest Ecology and Management 2009; 258(6): 1014-1024. http://dx.doi.org/10.1016/j.foreco.2009.06.023.

Richards PW. The tropical rain forest: an ecological study. Cambridge: Cambridge University Press; 1957.

Sanquetta CR, Angelo H, Brena DA, Mendes JB. Predição da distribuição diamétrica, mortalidade e recrutamento de floresta natural com matriz Markoviana de potência. Floresta 1995; 24(1/2): 23-26.

Sanquetta CR, Brena DR, Angelo H, Mendes JB. Matriz de transição para simulação da dinâmica de florestas naturais sob diferentes intensidades de corte. Ciência Florestal 1996; 6(1): 65-78.

Schneider PR, Finger CAG. Manejo sustentado de florestas inequiâneas heterogêneas. Santa Maria: UFSM, 2000.

Shuggart HH. A theory of forest dynamics: the ecological for succession model. New York: Springer-Verlag, 1984.

Silva LCR. Estrutura e florística de bracatingais da região metropolitana de Curitiba, Paraná: um enfoque sucessional. [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2013.

Souza AL, Soares CPB. Florestas nativas: estrutura, dinâmica e manejo. Viçosa: Editora UFV; 2013.

Stepka TF, Dias AN, Figueiredo Filho A, Machado SA, Sawczuk RA. Prognose da estrutura diamétrica de uma Floresta Ombrofila Mista com os métodos razão de movimentos e matriz de transição. Pesquisa Florestal Brasileira 2010; 30(64): 327-335. http://dx.doi.org/10.4336/2010.pfb.30.64.327.

Swaine MD, Lieberman D, Pultz FE. The dynamics of tree populations in tropical forest: a review. Journal of Tropical Ecology 1987; 3(4): 359-366. http://dx.doi.org/10.1017/S0266467400002339.

Swaine MD, Whitmore TC. On the definition of ecological species groups in tropical rain forests. Vegetation 1988; 75(1/2): 81-86. http://dx.doi.org/10.1007/BF00044629.

Teixeira LM, Chambers JQ, Silva AR, Lima AJN, Carneiro VMC, Santos J et al. Projeção da dinâmica da floresta natural de Terra-firme, região de Manaus – AM, com uso da cadeia de transição probabilistic de Markov. Acta Amazonica 2007; 37(3): 377-384. http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672007000300009.

Tereschcuch SM, MacDonagh PM, Oliveira AJ, Rivero LE, Bulfe NML. Prediccíon de la estructura diamétrica de especies comerciales de um bosque subtropical por medio de matrices de transicíon. Floresta 2007, 37(1): 71-80.

Vanclay JK. Modelling Forest growth and yield: applications to mixed tropical forests. Wallingford: CAB International, 1994.

Whitmore TC. Canopy gaps and two major groups of forest trees. Ecology 1989; 70(3): 536-538. http://dx.doi.org/10.2307/1940195.

Whitmore TC. Gaps in the forest canopy. In: Tomlinson Z. Tropical trees as living systems. London: Cambridge University Press; 1978.

Whitmore TC. Tropical Rain Forest dynamics and its implications for management. In: Gomes-Pompa A, Whitmore TC, Hadley M. Rain forest regeneration and management. Paris: UNESCO; 1990.

Wright SJ. Tropical forests in a changing environment. Trends in Ecology & Evolution 2005; 20(10): 553-560. PMid:16701434. http://dx.doi.org/10.1016/j.tree.2005.07.009.
 

58ff57990e8825246babdcf8 floram Articles
Links & Downloads

FLORAM

Share this page
Page Sections